terça-feira, 4 de outubro de 2011

Romance Histórico - Você ainda vai ler um



"Ai! Não suporto Jane Austen!!!!", uma amiga linda minha disse isso pra mim enquanto estávamos num encontro literário. De lá pra cá fiquei com isso encasquetado na cabeça. Por que será que algumas pessoas não gostam de romance histórico?
Bom, não é exatamente esse o caso dessa minha amiga. Ela GOSTA de romance histórico, mas já ouvi frases parecidas à essa de outras pessoas. Mas quando você pergunta se elas já leram algum, a resposta invariavelmente é negativa.

Como qualquer gênero literário, há os bons romances, os maravilhosos, os maus e os péssimos. Tudo é uma questão de gosto, de escolha e às vezes até de sorte. Você pode estar rondando por uma livraria - como já aconteceu comigo com um dos livros abaixo que vou comentar -, apenas procurando algo pra ler e, de repente, você se apaixona pela sinopse do livro. Leva-o pra casa e acaba por se tornar fã de um determinado autor.

Nos romances históricos há toda uma nuance da época em que ela é ambientada (medieval, vitoriana...); da validade histórica (alguns autores acrescentam fatos históricos reais na narrativa); ou até mesmo do lado romântico da coisa (do estilo mais hot, mais meigo, "felizes para sempre"...).
Abaixo listei alguns tipos. Talvez um deles (ou pelo menos a autora) chame a sua atenção e faça você, pelo menos, vencer o medo inicial de ser tachado(a) de leitor(a) de "livro de mulherzinha".

Lembre-se que não dá pra saber o gosto da alcaparra sem nunca ter experimentado. 


Ficha técnica: A Princesa Orgulhosa (The Proud Princess)
Autora: Barbara Cartland
Editora Edições de Ouro
Lançamento original: 1976
Lançamento BR: 1978
263 páginas

Não tem como começar a falar sobre esse gênero sem citar Barbara Cartland. Ela foi a grande disseminadora desse tipo de livro. Seus romances da realeza, seus duques a barões encantaram moças e mulheres de várias gerações.
Seus livros, levando-se em consideração a biografia da própria autora e a época em que foram escritos, são os verdadeiros água com açúcar. Na maioria da vezes suas mocinhas são indefesas e se veem enredada em alguma confusão, na qual o gentil cavalheiro, o qual ela não faz nem ideia se tratar de alguem da nobreza, vem em sua ajuda.
Os locais podem ser reais, como Paris, Inglaterra, ou países criados por ela. Mas suas descrições de palácios e roupas nos remetem à uma época em que ela queria nos fazer acreditar que há sim a magia do amor. E que ele pode encontrá-lo esteja você onde estiver.


Ficha técnica: A Boa Moça (Charity Girl)
Autora: Geogette Heyer
Editora Record
Lançamento original: 1970
Lançamento BR: 2011
288 páginas

Nos livros de Georgette Heyer o amor não é o tema principal. Seus heróis e heróinas podem ou não ser nobres, mas são sempre de um caráter forte.
Nada de heroínas fracas e indefesas. São mulheres com convicções a frente de seu tempo. A narrativa é sempre inteligente e engraçada, sem ser repetitiva.
Não espere beijos apaixonados, mas leia com a convicção de que vai se divertir e dar boas gargalhadas.
Neste específico a chamada "boa moça" é uma moça órfã de mãe, abandonada pelo pai anos antes de terminar os estudos no colégio para moças, acolhida pela tia e tratada por esta mais como uma serva do que como alguém da família. Então, ela decide fugir. E daí começa toda a confusão. História triste? Que nada! Divertidíssima. Principalmente quando as pessoas começam a ajudá-la em sua empreitada de ir atrás do avô que nunca conheceu. É confusão atrás de confusão, e, com isso, certeza de boas risadas. É o tipo de leitura que ajuda a passar o tempo e você tem a certeza de que ao terminar o livro estará se sentindo bem.



Ficha técnica: O Escândalo da Estação (The Scandal of the Season)
Autora: Sophie Gee
Editora Record
Lançamento original: 2007
Lançamento BR: 2008
382 páginas

Já neste livro não espere romance apaixonado. Ambientado na Londres do século 18, a autora, formada em Literatura Inglesa, estava mais preocupada em passar a imagem da época, com sua "poluição, sujeira e sátira". Os nobres são gente como a gente, vis, mesquinhos e mundanos. Muitos dos personagens são pessoas reais e o fim de suas vidas não tem nada de romântico. Neste livro, ao final, você estará entre o "ame" ou "odeie", mas não lhe será indiferente.


Ficha técnica: Muito Mais que uma Princesa (She's no Princess)
Autora: Laura Lee Guhrke
Editora Essência (Planeta)
Lançamento original: 2006
Lançamento BR: 2008
341 páginas

E pra terminar, um legítimo livro de mulherzinha, com todas as intrigas, confusões, beijos e cenas hots a seu dispor. Uma mocinha inteligente e com o espírito livre. Um mocinho sério, que segue as convenções, e se vê obrigado a lidar com a mocinha encrenqueira. Barraco armado, romance nascido.
Não se engane com o estilo. A história é engraçada, os conflitos são reais, mas para as românticas de plantão, dá uma certa "depressão pós-livro" ao terminá-lo.

Aí, você pergunta: mas cadê os livros da Jane Austen???? Digamos que, em homenagem àquela minha amiga decidi reler os 6 mais famosos livros dela. Então, isso é pra uma próxima postagem ;)

#leituranossadecadadia:
  • Eoin Colfer - Artemis Fowl, o menino prodígio do crime (Galera Record)
  • Antoine Galland - Os Melhores Contos de Amor das 1001 Noites (Agir Editora)
  • Candace Camp - Audácia (Harlequin)
  • Kate Mosse - Sepulcro (Suma das Letras)

*A primeira gravura pertence a JON PAUL FERRARA. Ele é um expert em fazer capas para livros. Você pode conhecer mais do trabalho dele no site www.jonpaulstudios.com

Um comentário:

  1. Li muitos romances da Barbara Cartland na adolescência! Adorava! Na sua lista abaixo da postagem, vi Sepulcro. Depois de ler Labirinto estava doida por este novo da Kate e consegui uma versão de bolso baratinha na bienal! Estou doida para começar a ler! Bjs

    ResponderExcluir