domingo, 1 de abril de 2012

As Capas que Amamos

Um livro também se vende pela capa. E quem discordar de mim que atire a primeira página!
Já perdi as contas de quantas vezes entrei numa livraria sem ter absoluta ideia de que livro queria e, de repente, uma capa me fascinou. Ao ler a sinopse, mais ainda. Pronto! Estou fisgada.

É claro que nem toda capa atrai. Há umas absolutamente pavorosas, simples demais, ou que não tem nada a ver com a história (vai entender a cabeça do cara de design. Provavelmente não leu o livro...). Mas outras parecem dar um toque a mais numa história já perfeita.

Pensando nisso, achei legal de tempos em tempos postar aqui fotos de capas de livros que me fascinaram, quer tenham sido publicados no Brasil, quer não.
E fazendo essa pesquisa descobri uma coisa pavorosa: as publicações estrangeiras NEM SEMPRE trazem o nome da idealizadora (pessoa física ou empresa) da capa escolhida. Ponto pro Brasil, que sempre nos traz esta informação.
Tenho apanhado um bocado tentando descobrir que empresa fez esta ou aquela capa que me agradou. Mas a luta continua...

Comecemos por uma saga, ainda não publicada no Brasil, de uma escritora que amo, Stephanie Laurens. A saga The Black Cobra Quartet traz capas idealizadas por Jon Paul Ferrara. Lindíssimas fotos transformadas em gravuras:


Mais um trabalho de Jon Paul Ferrara, desta vez para a escritora Marjorie M. Liu. Obs: sou simplesmente apaixonada por essa foto. Tenho-a como meu papel de parede (aqui a parte da modelo feminina ficou escura. A foto original é muito mais bonita, como se pode ver abaixo da capa):




Outro livro que me chamou atenção na época do lançamento (achei a capa o máximo, com esse fundo preto e sempre algum detalhe em vermelho) foi a da saga Crepúsculo. A edição brasileira seguiu o modelo da americana. Capa de Gail Doobinin, com imagem de Roger Hagadone:


Os livros de Julie Garwood no Brasil (os históricos), na maioria das vezes trazem algum cenário. Como são ambientados na época Medieval, os castelos são a grande pedida. Estas duas foram idealizadas por Daniel Rampazzo (Casa de Ideias):


E pra terminar por hoje, uma série de livros clássicos direcionados ao público Young-Adult (por isso das capas tão coloridas). Idealizadas por Jacket Design, publicado pela Splinter (Sterling Childern's Books). Também não disponíveis no Brasil:



E assim vamos nós, cada vez mais apaixonados por livros e curtindo cada detalhe que eles possam oferecer.

Um comentário:

  1. Ahh as caás me ganham sempre.... confesso que o que chama atenção em primeiro lugar é a capa!!!

    E quando escolho um livro assim,quase nunca me decepciono!!!

    Adorei as capas e o post!!!

    Bianca

    www.apaixonadaspotrlivros.com.br

    ResponderExcluir