sábado, 24 de novembro de 2012

Anna Sheehan - Adormecida



Ficha técnica: Adormecida (A Long, Long Sleep)
Autora: Anna Sheehan
Editora Lua de Papel
Lanaçamento original: 2011
Lançamento BR: 2012
272 páginas

"Rose Fitzroy esteve dormindo profundamente por décadas... então acordou.
Imersa num sono induzido, esquecida em um porão há mais de 60 anos, a jovem era tratada como desaparecida, enquanto os anos sombrios pairavam sobre o mundo.
Despertada como por encanto, e descobrindo-se herdeira de uma corporação multimilionária, Rose vai entendendo pouco a pouco, tudo o que aconteceu em sua ausência, recompondo suas lembranças, a fim de recuperar a própria vida.
Ela descobre que seus pais estão mortos. O rapaz por quem era apaixonada não é mais que uma mera lembrança. A Terra se tornou um lugar estranho e perigoso, especialmente para ela, que terá de assumir o seu lugar à frente dos negócios.
Desejando adaptar-se à nova realidade, Rose só consegue confiar numa única pessoa. Algo lhe diz que ela a conhece, mas seria impossível. Ela até gostaria de deixar o passado para trás, no entanto, ao pressentir o perigo, percebe que precisa enfrentá-lo - ou então não haverá mais futuro."


**SPOILER**


Impossível falar sem dar algum spoiler, mas vou tentar me controler sobre as partes mais surpreendentes...

O resumo do livro é bem direto. A menina, aos dezesseis anos, e colocada para dormir, numa espécie de câmara hiperbárica (lembra da cama do Michael Jackson?), e, por azar, um pouco depois, os Tempos Sombrios começaram, e lá ela permaneceu. Para sua sorte... ou azar.
Os Tempos Sombrios são descritos como um período realmente devastador.
Um estilista resolve que a última tendência em moda seria a pele de marmota e vai até a China buscar algumas toneladas. O que ele não contava é que algumas dessas peles tiveram seus genes modificados e uma espécie de vírus mortal começou a se espalhar pelo mundo. Lembra daquele filme "Contágio", no qual todo mundo que respirou o mesmo ar de alguém contaminado, morre? Pois bem, o mesmo ocorreu.
Pra completar o quadro, doenças já controladas, como a tuberculose, voltaram com força total. O HIV se aproveitou da baixa imunidade das pessoas e marcou presença. E como desgraça pouca é bobagem, além da população morrer, ela não conseguia mais se reproduzir porque os alimentos geneticamente modificados impediram a reprodução. Resumindo: a humanidade se fu...

Os que sobreviveram deram um jeito de se reestruturar, e é nesse ambiente ultra-cibernético que Rose desperta. Sem família, sem amigos, sem rumo.
Única herdeira de um império, ela não tinha idade legal, nem condições de assumir seu lugar. Sim, porque apesar de ela já beirar os 100 anos, o que conta é a idade em que a pessoa é colocada em estase (a palavra para designar seu congelamento).
Seu corpo está arrasado pela fadiga muscular, seus órgãos não funcionam tornando quase impossível comer, até seu batimento cardíaco precisa ser monitorado e ajudado por nanorrobôs injetados em seu corpo.
Além disso, ela precisa se acostumar com o modo de vida da época e tentar se integrar a uma nova família, escola, amigos.

Ela é considerada uma esquisita, a maioria das pessoas não se aproxima dela, um de seus melhores amigos acaba sendo um menino de pele azul, geneticamente feito em laboratório, meio ET.
Tudo ia normal até que alguém quer assassiná-la. E é nessa busca/fuga desvairada que Rose começa a descobrir o que realmente aconteceu em seu passado, quem quer matá-la e porque ela é como é.

Até aqui, beleza. O livro fica meio parado até mais ou menos a página noventa e pouco, quando a ação começa. Chegar até essa página foi um suplício. Eu já começava a pensar em abandonar o livro (coisa que normalmente NÃO faço), quando a ação começou. Aí, não consegui largar até terminar.

Mas vamos combinar, que merda de vida era aquela daquela garota???
Ela tinha 2 pais irresponsáveis, que só queriam cuidar da própria vida e dos negócios milionários deles. Queriam tirar férias? Botavam a filha pra dormir. Iam viajar a trabalho? Botavam a filha pra dormir. A filha fazia malcriação? Tá muito agitada, 'bora dormir! Aff...
A menina cresceu se sentindo um zero à esquerda. Seus pais controlavam tudo, sua mãe a tratava como uma boneca a ser vestida. Passavam meses viajando, deixando a garota lá em suspensão, e quando voltavam, davam uma festa, compravam-lhe roupas novas e ficava tudo bem...
Rose se apaixonou. Seu romance foi interrompido por anos porque ela estava sempre em estase, enquanto isso seu namorado ia crescendo e ficando mais velho.
Ela não conseguia se dar bem nos estudos. Sua válvula de escape era a pintura, e nisso ela se destacou. E isso tornou-se sua ruína.

Quando chega a hora em que ela começa a ser caçada, claramente você pensa que isso se dá por poder, afinal, ela é a única herdeira de uma baita corporação que controla quase tudo na face da Terra. E como ela é uma inútil para tomar decisões bobas, imagina controlar um império?
Mas você descobre que há mais em jogo. Que muitos acontecimentos do passado não lhe foram ditos, que sua vida valia menos do que ela se considerava (levando-se em consideração que ela se considerava menos que nada!), que tudo que ela acreditava poderia ruir a qualquer instante.

Vou ser sincera com vocês, não sei se gostei ou não do livro. De fato, a partir da página 90 a história deu um salto, tornou-se mais dinâmica, animada. Antes disso, me dava nervoso em ver a passividade daquela garota. Ela não reclamava de NADA. Ela não pedia nada diferente do que lhe era oferecido. Ela simplesmente não existia. Mas como ela passou a ter a vida ameaçada, e não queria morrer, ela teve que começar a agir, e isso mudou tudo.

Parece meio viral essa coisa de se escrever livros pós-apocalipses, do tipo "Jogos Vorazes" e "A Seleção". Essa ideia de fim do mundo se aproximando, ou todos esses ataques terroristas, têm feito pulular histórias em que a humanidade praticamante se destruiu e apenas uns poucos conseguem sobreviver, mas não sem sequelas.
Até curto umas histórias meio de suspenses (se este livro virar filme na certa terá um Q de suspense muito forte), mas não gosto de livros que me deixam deprê.

Quer saber se Rose morre? Não, mas há vários tipos de final não tão felizes assim.
Se você leu "Jogos Vorazes 3" e achou maravilhoso, então este livro será pinto. 
Livro tem que me fazer sentir feliz quando termino, e não falo isso só porque TEM que terminar com romance "felizes para sempre". Livro que me faz ficar introspecta ou que me faz xingar um PQP do tamanho do bonde (como este me fez), prefiro passar longe.

Mas acho que vale a pena você ser seu próprio juiz. Leia e depois comente aqui o que achou. Tenho certeza que muitas pessoas vão achá-lo o máximo.


*Ao som de "Leave Out All the Rest", com Linkin Park
http://www.youtube.com/watch?v=LBTXNPZPfbE

Nenhum comentário:

Postar um comentário