quarta-feira, 27 de março de 2013

Georgette Heyer - Venetia e o Libertino



Mais uma escritora que adoro a qual ainda não tinha tido oportunidade de resenhar. Eis minha chance com o relançamento de seu livro VENETIA E O LIBERTINO.

Ficha técnica: Venetia e o Libertino (Venetia)
Autora: Georgette Heyer
Editora Record
Lançamento original: 1958
(Re)Lançamento BR: 2013
335 páginas

"Quando a bela e voluntariosa Venetia e o bonito e leviano Lorde Damerel se apaixonam, inevitavelmente resultam complicações dos mais inesperados e divertidos tipos. E de fato se apaixonam, muito para o deleite do leitor completamente distraído, que não deixa de divertir-se compartilhando de suas escapadas fascinantes."




ROMANCE HISTÓRICO. CLÁSSICO.


Romance ambientado na Inglaterra de 1818.
Venetia era a filha mais velha de um homem austero, solitário, que recolheu-se completamente da vida após a morte de sua esposa, deixando todo o cargo e responsabilidade de cuidar dos dois irmãos menores em cima da única filha.
Crescendo trancafiada numa propriedade rural, Venetia não conheceu a frívola vida da temporada de Londres nem mesmo quando chegou à idade de debutar. Agora, aos 25 anos, três anos após a morte do pai, morando sozinha na enorme propriedade com os empregados e seu irmão caçula Aubrey, ela passará por sua maior tentação: não deixar-se envolver pelo charme de um libertino. Mas será que ela quer realmente fugir?

Lord Jasper Damerel era conhecido como o Barão Malvado. Sua fama o precedia por ter, aos 22 anos, fugido do país com uma mulher casada. Dezesseis anos depois ele retorna à propriedade onde crescera, e levanta todo o tipo de suspeitas de seus vizinhos do porquê de seu retorno inesperado.

Venetia e Damerel encontram-se pela primeira vez por acaso. Mas parece que o destino lhes prega uma peça ao ser Damerel a pessoa a encontrar o irmão de Venetia caído e machucado na estrada, e ajudá-lo, forçando Venetia a passar a frequentar a sua casa. E nesses encontros, com tantas conversas e momentos a sós, tudo pode acontecer...

capa da 1ª edição - 1958


Gosto muito da maneira com que Georgette Heyer leva os seus personagens. Ela consegue num único e longo parágrafo contar as principais características e histórico de vida de um personagem, posicionando o leitor no tempo e no espaço da cena que se passa.
Seus personagens têm uma riqueza incrível, mesmo aqueles de péssima reputação.
Neste livro você encontra a mocinha não boba ou submissa; o irmão covarde; o outro irmão gênio; os empregados alcoviteiros; o vizinho orgulhoso e outro, apaixonado; a mãe relapsa; o pai autoritário e, claro, o mocinho canalha. Todos eles são pintados numa aquarela de cores vivas.

Muitos leitores gostam de comparar o estilo de escrita de Georgette Heyer com Jane Austen. Sim, talvez haja algumas semelhanças, porque mais do que escreverem apenas romances, ambas preocupavam-se em expor uma crítica social dos personagens do tempo descrito.
Porém, pela época em que Georgette escreveu seus livros, ela foi um pouco mais além na área "romance". Enquanto os personagens de Jane Austen degladiavam-se com palavras e mal tocavam as mãos numa dança, os de Georgette já experimentavam os ímpetos da paixão. Duvida? Leia este trecho de "Venetia":


"Antes que ela se recuperasse do susto de ser abordada daquele jeito, ele passou o braço à sua volta e jogou para trás sua touca de sol. Mais zangada do que amedrontada, ela tentou empurrá-lo. Porém ele não lhe deu a mínima e apertou-a ainda mais, com os olhos lampejando.
-Mas ela é a imagem da beleza...!
Venetia foi beijada com fúria. Seu rosto ficou rubro, os olhos brilharam, e ela tentou tenazmente desvencilhar-se dos braços mais fortes que já havia encontrado, o que fez Damerel rir." (pag. 33)


Isso você não encontra num romance de JA...

A história surpreende. Não espere uma mocinha recatada, infeliz, chorosa, que fica em casa esperando pela sua felicidade. Sim, ela abriu mão de várias coisas em sua juventude em prol de seus irmãos, em especial o caçula, mas ao ver-se numa situação em que teria que tomar uma série decisão, ela não titubeia. A forma com que ela dá a volta por cima é gloriosa, típica de uma heroína de Heyer.


Este é um livro para ser saboreado do princípio ao fim. Os diálogos de Venetia com seu irmão Aubrey são deliciosos desde a primeira página. Uma escritora para se ter na estante sempre. Um livro que não precisa de vários "tons" para prender sua atenção...

Abaixo, a capa da edição em português lançada pela Record anteriormente, e a seguir, as muitas capas de Venetia desde seu lançamento.








2 comentários:

  1. oi, boa noite, sou nova por aqui, como faço para baixar os livros?

    ResponderExcluir
  2. Oi, Michele
    Meu blog não disponibiliza links para baixar livro.
    O deste comentário, por exemplo, li na edição de papel da Ed. Record.
    Mas você consegue baixar livros entrando em contato com alguns grupos no facebook e outros blogs.
    Bjs.

    ResponderExcluir