quarta-feira, 29 de maio de 2013

Mary Blayney - One More Kiss



Ficha técnica: One More Kiss (Pennistan #5)
Autora: Mary S. Blayney
Editora Bantam Books
Lançamento original: abril/2013
Lançamento BR: ainda não
448 páginas


"Enviadas por seu ambicioso pai para conseguir um marido, Beatrice Brent e sua irmã gêmea Cecilia, participaram de uma festa no campo, junto com vários pretensos candidatos a noivos. Desafiadoramente, Beatrice flerta descaradamente com o Lord Jessup Pennistan um jogador com um escândalo em seu passado - exatamente o tipo de homem que seu pai a havia alertado para evitar. Mas quando o flerte vai longe demais, Beatrice se vê forçada a ficar noiva, e pior, afastar-se de sua família. Convencida de que as más atitudes de seu noivo nada trarão para si, a não ser uma baita dor de cabeça, Beatrice se sente impotente ante à sedução de Jess e aos prazeres do leito conjugal.

Um homem que perdeu no jogo mais do que sua família está disposta a perdoar, Jess logo percebe que comprometer Beatrice foi seu melhor erro. Mas se quiser mantê-la ele deve corrigir os erros do passado, recuperar a fortuna perdida e fazer a aposta mais ousada de toda sua vida. Por enquanto ele tem tudo para ganhar... e tudo a perder."

ROMANCE HISTÓRICO.

(English review scroll down)


Apesar de a protagonista ter uma irmã gêmea que aparece bastante na história, este livro trata-se do romance entre Beatrice e Jess.

Elas são gêmeas, mas não poderiam ser mais diferentes. A começar pela aparência, Cecilia tem a descrição física das mocinhas dos contos de fadas: pele branca, cabelos muito louros e profundos olhos azuis; enquanto Beatrice tem seus cabelos e olhos castanhos. Na atitude elas também diferem, sendo Cecilia a mais insegura, e Beatrice a mais ousada. Talvez exatamente por isso Beatrice se sentisse na obrigação de agir como se fosse uma irmã muito mais velha - a mãe delas havia morrido apenas 1 ano antes - e toda vez que algum cavalheiro se aproximava dela, ela logo começava a exaltar as qualidades da irmã.

O pai delas, que não possuía nenhum título de nobreza, achava já estar na hora das gêmeas arranjarem maridos, por isso fez com que elas participassem de uma "house party" (aquelas festas na casa de campo que duravam uma quinzena, com jogos e gincanas para entreterem os convidados). Cecilia, mesmo sentindo-se nervosa e insegurança perto de tantas pessoas desconhecidas, estava animada com a possibilidade de encontrar um noivo. Já Beatrice, não.

Jessup Pennistan participava da "house party" apenas para tentar reaver uma propriedade que ele havia perdido num jogo de cartas e sua família jamais o perdoaria por isso. Ele não pensava em arranjar uma noiva, muito menos fazer a côrte a alguma delas. Mas acabou fascinado pelo jeito de Beatrice. A maneira protetora com que ela tratava a irma gêmea, seu entendimento sobre pintura - Rembrandt especialmente - e sua pouca boa vontade em se deixar fazer a côrte por qualquer um dos outros cavalheiros, só fez seu interesse por ela aumentar.

Mesmo sem ambos quererem firmar um compromisso, acabaram sendo pegos num ato comprometedor e, com isso, tiveram sim de ficar noivos.
A esta altura, o interesse de Jess por ela começou a ser verdadeiro, mas ele sabia que para ser merecedor dela, ele teria de lutar e reconquistá-la.

Todos que acompanham minhas resenhas, sabem o quanto eu adoro um romance histórico.
A capa deste livro é linda e a sinopse também me chamou a atenção. Quando comecei a lê-lo achei interessante o fato de as protagonistas serem gêmeas - seria a história do livro fixada em ambas ou em apenas uma?
Mas com o passar da leitura meu interesse foi diminuindo. Não me senti conectada com os personagens - o casal principal.

Achava irritante aquela mania de Beatrice sempre exaltar as qualidades (leia-se beleza) da irmã, enquanto se diminuía. Depois, quando se nota que o par dela seria Jess, não houve um confronto genuíno. Quero dizer, espera-se que ou o casal fique logo enamorado, ou que eles não se suportem e briguem o tempo todo, tornando a conquista mais engraçada. Aqui não houve nem uma coisa, nem outra.

O ritmo da história, por se passar praticamente ao longo dos 15 dias da tal festa no campo, ficou um pouco arrastado, lento.
Veja bem, exatamente por Jess não ter um título alto, como o irmão dele, por exemplo, que era duque, e por ainda carregar nas costas um escândalo (ele foi mencionado nos altos de um divórcio como o causador do mesmo), ele não era bem visto aos olhos do pai das gêmeas para ser um possível candidato a marido. Só isso já deveria tornar a história interessante, porque com o jeito desafiador de Beatrice, partiria dela a vontade de conquistá-lo, desafiando seu pai e a sociedade. 
No final das contas, a irmã gêmea "bobinha" acabou sendo mais ousada do que a outra...

Como este livro faz parte de uma série, ele é o quinto, ao gostar de um livro, normalmente eu retorno para ler os anteriores. Não é este o caso aqui. Alguns dos personagens citados tiveram suas histórias já contadas, e, talvez, se eu os tivesse lido na ordem, eu poderia me sentir mais conectada com a história atual.

Os personagens tinham a possibilidade de crescerem mais. 
Nota-se que houve uma pesquisa profunda por parte da autora em descrever tão belamente os trabalhos do mestre Rembrandt.
Por isso dei 3 ESTRELAS.

Para saber mais sobre a autora:



Site  |  Goodreads  |  Facebook



*Cópia do livro (ARC) cedida pela editora através do NetGalley para uma resenha sincera e imparcial.
---------------------------------------------------------------------------------

English review

We could think this book is about the twin sisters Beatrice and Cecilia, but it's in fact about Beatrice and Jess's romance.

They are twins, but they could not be more different. Starting with the appearance, Cecilia is the physical description of the girls from fairy tales: white skin, long blond hair and deep blue eyes, while Beatrice has her hair and hazel eyes. They also differ in attitude, Cecilia being the most insecure, Beatrice, the boldest. Perhaps exactly why Beatrice felt compelled to act like a much older sister - their mother had died just one year before - and every time some gentleman approached her, she soon began to extol her sister qualities.

Their father, who had no title of nobility, thought to be already the time of the twins find husbands, so that they did attend a "house party" (those parties at the cottage that lasted a fortnight, with games and competitions to entertain the guests). Cecilia even feeling nervous and insecure around so many strangers, was excited about the possibility of finding a groom. But Beatrice, no.

Jessup Pennistan attended  the "house party" just to try to repossess a property he had lost in a card game and his family would never forgive him for that. He did not think about getting a bride, much less do any of them to court. But he felt  fascinated by Beatrice's way. The protective manner with which she was the twin sister, her knowledge of painting - Rembrandt especially - and her lack of willingness to be left to the court by any of the other gentlemen, has only increased his interest on her.

Even without both wanting to make a commitment, ended up being caught in a compromising act and, therefore, had rather stay engaged.
At this point,  Jess interesting on her started to be true, but he knew that to be worthy of her, he would have to fight and win her back.

All my review's readers know how much I love a historical romance.
The cover of this book is beautiful and the synopsis caught my attention. When I started reading it I found  interesting that the main characters were twins - the story of the book would be fixed at both or just one?
But over reading my interest was going down. I did not feel connected to the characters - the main couple.

Annoying habit of Beatrice always exalt her sister qualities (read beauty)  while diminished herself. Then, when it is noted that her pair would be Jess, there was not a genuine confrontation. I mean, it is expected that either the couple is immediately smitten, or they be that kind of couple could not be together for long time without arguing, making the conquest funniest. Here there was neither one thing nor the other.

The pace of the story, because they spend almost throughout the 15 days of that party in the field,  was slow.
Look, exactly because Jess does not have a title  as his brother, for example, he was Duke, and still charge back a scandal (he mentioned in divorce case as the cause of it), he does not was well regarded in the eyes of twins's father to be a possible candidate for a husband. That alone should make the story interesting, because when we know Beatrice's behavior it would be easy for her defying her father and society.
In the end, the  "silly and insecure" twin sister  ended up being more daring than the other ...

As this book is part of a series, it is the fifth, to enjoy a book, I usually return to the previous reading. This is not the case here. Some of the characters mentioned had their stories ever told, and perhaps if I had read in the order, I could feel more connected with the current story.

But because the characters had the chance to grow more, and I could noticed that there was a deep research about Rembrandt and his paintings, so I gave 3 STARS.





Um comentário:

  1. Romances históricos não são meu forte, mas adorei tua resenha. Muito bem feita!

    Venha conhecer meu blog sobre livros e séries, tem promoção rolando por lá:

    www.culturaviciante.blogspot.com

    Beijos!

    ResponderExcluir