segunda-feira, 24 de junho de 2013

Cherise Kelley - How I Got Him to Marry Me: 50 True Stories




Ficha técnica: How I got Him to Marry Me: 50 True Stories
Autora: Cherise Kelley
Editora St. Patrick's Day
Lançamento original: abril/2013
Lançamento BR: ainda não
230 páginas

"Namorados dão desculpas como: 'casamento é apenas um pedaço de papel', 'viver juntos é o mesmo que estar casados'. Muitas mulheres que valorizam o casamento e/ou  a estabilidade que proporciona para criar os filhos, têm dificuldades em convencer seus namorados a casar em meio a essas opiniões nem tão favoráveis. O CENSO americano diz que menos da metade das pessoas de meia-idade são casadas. O percentual sobre um pouquinho se baixar a idade média para 35 anos.
Você não tem que entrevistar 50 mulheres para saber o que elas fizeram para conseguir o seu anel. A autora já fez isso. Todos os 50 casais o fizeram depois de 1990, mostrando que a informação não é tão antiga assim. Leia e descubra como você pode fazê-lo a se casar com você e não apenas viver juntos."

BIOGRAFIA. DRAMA.

(English review scroll down)


Quando vi a capa e o título do livro achei o assunto interessante. É sempre bom ler histórias verdadeiras, entender o ponto de vista de outras pessoas, conhecer suas almas.
O livro é bem explicado em seu propósito. A autora colheu informações em forma de perguntas - 4, simples e diretas - sobre a forma em que o casal em questão chegou ao altar. O enfoque foi dado principalmente à mulher, como ELA fez para convencer o seu namorado/noivo a finalmente levá-la ao altar. As respostas deveriam ser escritas na primeira pessoa; sem usar expressões corriqueiras; sem usar a gravidez como argumento para forçá-lo ao casamento e teriam de ser entre heterossexuais. Nomes fictícios poderiam ser usados, desde que não fossem muito estranhos.

São 50 pequenas histórias desses casais. Algumas são bem engraçadas, ou nem tanto. Mas em todas elas você encontra que há a verdade contida. A própria autora admitiu que pelo menos 3 das histórias recebidas não foram incluídas no livro por parecerem fantasiosas demais.

Os casais das histórias casaram-se após 1990. Este é um dado importante à pesquisa porque foi a partir dos anos 80 que a ideia de que apenas viver juntos, sem assinar o papel, já era plenamente aceitável. Por isso o tema ser "Como eu fiz/ O que fiz para fazê-lo se casar comigo".

Nenhuma história termina com o Felizes para sempre, mas como todos os casais permaneciam casados até o final de cada história, mostra a importância de o casamento ser uma instituição sagrada para todos eles.

Minhas impressões:
Como eu disse, a princípio achei a ideia interessantíssima. Com o passar da leitura fui sentindo que não me conectava mais com o objetivo do livro.
Acredito no casamento e sim, ainda acho que é uma instituição sagrada. Principalmente quando há filhos envolvidos. Mas parecia, ao ler as histórias, que a maioria das mulheres estava desesperada para casar, como se aquela fosse sua última chance de sobrevivência.
Alguns dos casos em que os homens demoraram mais tempo para tomar a final decisão, eu não vi nenhuma indicação de que eles realmente mudariam de atitude, e ainda acho que alguns que mudaram foram porque se viram forçados a isso. Em algumas histórias me senti mais deprimida do que feliz pelo belo final deles....

De qualquer maneira é um belo livro. Mesmo que não dê a importância maior ao Felizes para sempre, mas mostra de forma positiva que esperar pelo seu Príncipe Encantado ainda pode valer a pena.

3 ESTRELAS.




Sobre a autora:



*C[opia do livro cedida pela editora através do NetGalley em busca de uma resenha honesta.
------------------------------------------------------------------------------------------------------

(English Review)

When I saw the cover and the title of the book I found the subject interesting. It is always good to read true stories, understand the point of view of other people, to know their souls.
The book, well explained in its purpose. The author collected informations as questions - 4, simple and direct - on the way the couple came to the altar. The focus was mainly given to the woman, as SHE did to convince her boyfriend / fiancé to finally take it to the altar. The answers should be written in the first person, without using everyday expressions, without using pregnancy as an excuse to force him to marry and would have to be heterosexual. Fake names could be used, provided they were not very strange.

There are 50 short stories of these couples. Some are quite funny, other not so much. But in all of them you will find that there is a truth contained. The author herself admitted that at least three of the stories received were not included in the book because they seem too fanciful.

The stories of couples married after 1990. This is an important research because it was from the 80s to the idea that just live together without sign the paper, it was perfectly acceptable. So the theme is "How did I do / What I did to make him marry me."

No story ends with happily ever after, but like all couples remained married until the end of each story shows the importance of marriage to be a sacred institution for all of them.

My impressions:
As I said, at first I thought the idea interesting. In the course of reading i was not feeling that I connected more with the purpose of the book.
I believe in marriage and yes, I still think it is a sacred institution. Especially when children are involved. But it seemed, to read the stories that most women were desperate to get married, as if that was their last chance of survival.
Some of the cases in which men took longer to take the final decision, I have not seen any indication that they really would change their attitude, and I still think that some that were changed because they were forced to do so. In some stories felt more depressed than happy for the beautiful end of them ....

Either way it is a beautiful book. Even if we do not give more importance to the HEA, but shows a positive argument to wait for your Prince Charming can still be worthwhile.

3 STARS.

Nenhum comentário:

Postar um comentário