domingo, 28 de julho de 2013

Debbie Macomber - Starry Night





Ficha técnica: Starry Night
Autora: Debbie Macomber
Editora Ballantine Books
Lançamento original: outubro/2013
Lançamento BR: ainda não
384 páginas


"Carrie Slayton, colunista das páginas da sociedade da cidade grande, sonha em escrever notícias de verdade. Assim, seu editor lhe dá um desafio: Ela pode cobrir qualquer tema que ela quiser, mas só se ela conseguir uma entrevista com Finn Dalton, um autor notoriamente recluso.

Vivendo no deserto remoto do Alasca, Finn  escreveu um livro de memórias megabestselling sobre a sobrevivência na selva. Mas ele teimosamente se recusa a falar com alguém da imprensa, e ninguém ainda sabe exatamente onde ele vive.

Cavando fundo no passado de Finn, Carrie desenvolve uma teoria sobre o seu paradeiro. É época de feriado, mas sua carreira está em jogo, então ela abandona suas celebrações familiares e voa para o Alasca. Quando ela finalmente encontra Finn, ela descobre um homem tanto  carismático e mais teimoso do que ela mesmo esperava. E logo ela está dividida entre seguir a história de uma vida e seguir seu coração.

Preenchido com todos os confortos e alegrias de Natal, Starry Night é um romance delicioso de encontrar a felicidade nos lugares mais surpreendentes."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. INÉDITO. PRÉ LANÇAMENTO.


(English review scroll down)

OMG.... Dá para se apaixonar pela mesma autora várias vezes? Porque é assim que me sinto cada vez que leio um novo livro de Debbie Macomber. Até agora com dois lidos e resenhados - este é o terceiro - nenhum me decepcionou.

A começar pelo estilo dela. Você se sente capturada pela história desde as primeiras palavras. Não importa como comece, quem seja o protagonista, alguma coisa boa vai surgir em meios àquelas palavras.

Depois, tem a singeleza. Suas histórias têm dramas modernos, aflições, uma pitada de mistério quando necessário, mas ao mesmo tempo, tem calmaria, romance, paz.

Este livro, já direcionado para a época de natal, te mantém no clima da celebração o tempo todo. Você sente o espírito natalino pulando das páginas.

Carrie é uma repórter de uma coluna da sociedade. Ela escreve sobre festas, casamentos, divórcios, eventos e fofocas em geral. Mas não é isso que ela quer. Ela quer ser uma grande jornalista, e sente que sua carreira está estagnada. 
Decidida a confrontar seu chefe pedindo uma chance ou então ela pedirá demissão, ele lhe dá esta oportunidade... Se ela conseguir uma entrevista exclusiva com um dos autores mais famosos e reclusos que existe, Finn Dalton.

O engraçado é que ela sequer tinha ouvido falar nele.
De posse de seu livro, Alone, ela leu-o por três vezes e começou a definir o perfil do autor. De posse de tais informações e muitas suspeitas, ela consegue encontrar a mãe dele, mas esta não é de muita ajuda já que não fala com o filho famoso há anos. Ainda assim Carrie continua sua procura e acaba por encontrá-lo.

Vivendo num fim de mundo de uma cidade da fria Alasca, Carrie e Finn ficam juntos e presos numa cabana por causa de uma tempestade, e ele faria de tudo para fazer essa repórter intrometida sair com as mãos vazias, do mesmo jeito que chegou.

A convivência dela com o cachorro dele é melhor do que com ele, mas presos em meio a uma tempestade, é claro que eles iam acabar tendo que conversar. E nessas conversas uma certa cumplicidade surgiu, e por motivos diversos, um sentiu-se atraído pelo outro.

Ele não queria ter sua privacidade invadida e pede a ela, antes de partir, que não publicasse qualquer linha sobre ele. O que ela poderia fazer agora? Sua carreira estava em jogo.. mas seu coração lhe pedia para atendê-lo...

O tempo na história passa aos pulos. O livro não é longo - ou, pelo menos, eu não senti que o fosse -, por isso a autora não segue dias corridos. Mas o que é narrado é o essencial e mostra claramente como o sentimento deles se desenvolve.




Não seria um relacionamento fácil. Veja bem, Finn tinha um histórico não muito agradável em relação às mulheres. Primeiro quando sua mãe abandonou seu pai, e ele ainda pequeno, e ele viu seu pai definhando, sofrendo de amor. Depois, ele mesmo teve uma desilusão amorosa. Portanto, ele não confiava em mulheres, em repórteres e em estranhos, e Carrie era a mistura de tudo isso ao aparecer sem ser convidada na cabana dele. Mas a convivência, ainda que por poucos dias, abriu uma brecha e fez com que ele acreditasse que algo diferente e bom pudesse acontecer.

Carrie também tinha um histórico de coração partido, mas sua estrutura familiar era mais sólida. Ela vivia cercada de amigos e colegas de trabalho e sua positividade era mais exaltada.

Os dois acabavam formando um casal atípico; dois polos, mas queriam fazer o relacionamento funcionar.

Como eu disse, é tudo tão singelo que quando o final do livro se aproximava e eu comecei a desconfiar que eles poderiam não terminar juntos, fui prendendo a  respiração sem perceber!!

Mais uma vez Debbie nos brinda com uma história sobre novas oportunidades, resiliência, esperança e amor. 



Mal posso esperar para que este sucesso também venha para o BR.

5 ESTRELAS!!!

Lançamento previsto para 8 de outubro.


*ARC cedido pela editora, através do NetGalley, em troca de uma resenha de opinião sincera.
--------------------------------------------------------------------------------------------------------
(English review)


OMG .... Can you fall in love several times by the same author? Because that's how I feel every time I read a new book by Debbie Macomber. Until now two read and reviewed - this is the third - no let me down.

Starting with her style. You feel captured by the story from the first words. No matter how start, who is the protagonist, something good will emerge in ways those words.

Then there's the simplicity. Her stories have modern dramas, afflictions, a dash of mystery when necessary, but at the same time, it has calm, romance, peace.

This book, now directed to the Christmas season, keeps you in the mood of celebration all the time. You feel the Christmas spirit skipping pages.

Carrie is a society page columnist. She writes about parties, weddings, divorces, events and gossip in general. But that's not what she wants. She wants to be a great journalist, but for now she feels that her career is stagnant.
Determined to confront her boss asking for a chance or she would prompt resignation, he gives her this opportunity ... If she gets an exclusive interview with one of the most famous and inacessible author  there, Finn Dalton.

The funny thing is that she had not even heard about him.
Possession of his book, Alone, she read it three times and began to define the profile of the author. With such informations and many suspected, she manages to find his mother, but she was not much help since she didn't speak to the famous son for years. Still Carrie keeps searching and eventually find him.

Living in a cold city in Alaska, Carrie and Finn are together and stuck in a cabin because of a storm, and he would do anything to make that nosy reporter leave with empty hands, the same way she came.

The coexistence of her with his dog  was better than with him, but stuck in the middle of storm, of course they would end up having to talk. And these conversations emerged a certain complicity, and for various reasons, one was drawn by another.

He did not want his privacy invaded and asked her, before leaving, not to publish any line about him. What could she do now? Her career was at stake... but her heart was asking to follow him...

The time in the story is pounding. The book is not long - or at least I did not feel that was - so the author does not follow calendar days. But what is narrated is essential and shows clearly how their feelings develop.

It would not be an easy relationship. Look, Finn had a history not very nice towards women. First when his mother left his father, and he still young, and he saw his father dying day after day, suffering in love. Then he had a broken heart. Therefore, he did not trust women, reporters and strangers, Carrie was mixing it all by appearing uninvited at his house. But living together, even for a few days, opened a gap and made him believe that something different and good could happen.

Carrie also had a history of heartbreak, but her family structure was more solid. She was always surrounded by friends and work colleagues and her optimism was more exalted.

The two ended up forming a couple atypical, two different poles, but wanted to make the relationship works.

Like I said, it's all so simple that when the end of the book approached and I began to suspect that they might not end up together, I was holding my breath without realizing it!

Again Debbie brings us a story about new opportunities (second chances), resilience, hope and love.

I can not wait for this success also come to  BR.

5 STARS!!


Um comentário: