terça-feira, 3 de setembro de 2013

Julia Quinn - O Visconde que me Amava (Os Bridgertons #2)



Ficha técnica: O Visconde que me Amava (The Viscount Who Loved Me)
Autora: Julia Quinn
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2000
Lançamento BR: 2013
304 páginas

"A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.

Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.

Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.

Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração."

ROMANCE HISTÓRICO. LANÇAMENTO.



Primeiro fomos apresentados à familia inteira pela maior fofoqueira das altas rodas de Londres, Lady Whistledown. Após isso, toda uma trama para fugirem do matrimônio forçado foi elaborada por Simon, o duque de Hastings, e Daphne. Mas eles acabaram apaixonados e casados.

Agora, Lady Whistledown direciona seu veneno ao mais velho dos Bridgerton. O herdeiro e visconde, Anthony.

"É claro que a questão dos libertinos já foi assunto discutido
antes nesta coluna, e a autora chegou à conclusão de que
há libertinos e Libertinos.
Anthony Bridgerton é um Libertino.
Um libertino com l minúsculo é jovem e imaturo. Ele se gaba
das próprias proezas, comporta-se feito um idiota e se
considera um perigo para as mulheres.
Um Libertino com l maiúsculo sabe que é um perigo 
para as mulheres.
Não se gaba das próprias proezas, pois não precisa. Sabe que homens
e mulheres cochicharão a seu respeito, e, na verdade,
preferiria que não fizessem isso. Ele sabe quem é e o que fez..."


Precisa dizer mais sobre quem é Anthony Bridgerton?
Bom, mas apesar de sua fama preceder-lhe, a verdade é que Anthony decidiu sossegar. Isso significa achar uma boa moça para casar.
Mas ele não quer qualquer uma.
Ela precisa ter uma certa beleza e também uma certa inteligência. O primeiro motivo é para que ele sinta alguma atração para poder ir para a cama com ela e fazer-lhe um herdeiro. O segundo é, às vezes, algum assunto é necessário ser conversado com ela.
O único ponto que não fazia parte de suas exigências era "apaixonar-se".

Oh... Anthony não era cético quanto ao amor. Ele conviveu com o amor de seus pais por 18 anos e sabia que esse tipo de relacionamento existia. A questão era que Anthony sabia que não morreria de idade avançada. Era quase como uma maldição em sua família. Seu pai e o irmão deste morreram jovens, antes dos 40 anos, só por isso ele já sabia que o mesmo lhe aconteceria.

Exatamente por isso, após voltar da universidade, ele deu asas à sua liberdade e aproveitou a vida. E ganhou a fama de Libertino com l maiúsculo.
Prestes a completar 3 décadas, e sabendo que lhe restava poucos anos de vida, Anthony decide que já era hora de arrumar uma esposa, ter um herdeiro, deixá-los bem amparados financeiramente, sabendo que sua família, irmãos e mãe, cuidariam bem de sua viúva e seu filho.

Ao perguntar a seus irmãos quem era a candidata mais famosa daquela temporada, imediatamente eles lhe disseram que era Edwina Sheffield. Uma linda loura, do tipo mignon, que  estava encantando a todos nos bailes.
Só havia um problema. Edwina só se casaria com quem a sua irmã mais velha, Kate, aprovasse. E Kate não era do tipo facilmente impressionável...

Kate Sheffield já contava 21 anos. Não pôde apresentar-se na idade correta, por isso, estava sendo apresentada naquela temporada, junto à sua irmã Edwina, de 17 anos.
A questão era que enquanto Edwina era a personificação de tudo o que um cavalheiro queria, especialmente no quesito beleza, Kate era absolutamente...normal. E ao lado da irmã, isso a fazia parecer feia.
Sua personalidade também não era a das mais fáceis de lidar. Não, ela não era antipática, mas ela também não facilitava nada para ninguém. Para conquistar o coração de sua irmã, teriam de passar por ela primeiro. E isso incluía aquele libertino de uma figa, Anthony Bridgerton.

O desafio foi lançado!

O que parecia ser uma queda de braço, acabou tornando-se um inferno astral para cada um, porque por mais que Kate quisesse repelir o famoso visconde de perto de sua irmã, ela própria sentia-se atraída por ele.


O mesmo acontecia com ele. Eles brigavam, ofendiam-se, mas era com ela que ele sonhava noite após noite...



E mesmo com o firme propósito de ganhar aquela disputa, Anthony admitia para si mesmo que Kate possuía algo de diferente... de especial...




E tudo foi por água abaixo quando a mãe dele, Violet Bridgerton, decidiu oferecer uma festa em sua casa de campo, Aubrey House, e convidou as Sheffield de última hora. Ali, o destino deles foi selado quando ela "pegou o taco da morte"...



O livro é comédia do início ao fim.
Você achou alguma semelhança entre a personagem principal e a história d'A Megera Domada, de William Shakespeare? Pois é. E não por acaso o nome de ambas é Kate.
A diferença é que aqui o herói não quer conquistá-la, mas sim a irmã dela, mas primeiro precisa passar por ela. E é daí que há os embates, os bate bocas, as discussões, que fazem do livro um dos mais divertidos da série.

Além do lado cômico, também há o drama. Anthony carrega essa certeza de uma morte prematura e nunca confidenciou isso a ninguém de sua família. Enquanto Kate mostra ter um medo sobrenatural de tempestades. Tudo com uma explicação em seus passados.

"O Visconde que me amava" é um daqueles livros que você se sente bem ao terminar de ler. E mesmo que você sofra de uma certa depressão pós-livro (como eu), mas a sensação na conclusão é tão gostosa, que você ainda se pega sorrindo. E claro, suspirando sobre quando será lançado o proximo livro da série, "Um Perfeito Cavalheiro", que traz a história do irmão Benedict (detalhe: a editora já disponibizou a capa e um trecho do livro no final deste).


Nenhum comentário:

Postar um comentário