segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Lisa Kleypas - Tentação ao Pôr do Sol (Os Hathaways #3)


Ficha técnica: Tentação ao Pôr do Sol (Tempt me at Twilight)
Autora: Lisa Kleypas
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2009
Lançamento BR: 2014
272 páginas

"Poppy Hathaway está em Londres para sua terceira temporada de eventos sociais. 
Como nos dois anos anteriores, ela se hospedou com a família no hotel Rutledge. E, como nos dois anos anteriores, tudo indica que retornará a Hampshire sem ter encontrado um pretendente com quem se casar.
Apesar de ser extremamente bonita e gentil, Poppy tem duas grandes desvantagens em relação às outras moças: sua inteligência deixa muitos homens acuados e o fato de vir de uma família tão pouco convencional faz com que os melhores partidos nem sequer a abordem.
Mas o destino a coloca no caminho de Harry Rutledge, um homem de passado triste, que venceu na vida por conta própria e aprendeu a encarar tudo como um negócio. O dono do hotel não ama ninguém, confia em poucos e manipula todos. Porém, mesmo sendo tudo o que Poppy nunca almejou, ela não pode negar o fascínio que sente por ele.

Quando Harry conhece Poppy, é tomado pelo desejo. Ele imediatamente tem a certeza de que a jovem será sua – e, para o bem ou para o mal, não mede esforços para que isso aconteça.
Mas fascínio e desejo não serão suficientes para construir sua história, sobretudo quando uma traição põe em jogo as bases do relacionamento. Agora, é entre quatro paredes que eles tentarão resolver problemas e anular diferenças, num romance sensual em que seu futuro juntos pode mudar a cada toque, cada encontro, cada descoberta."

ROMANCE HISTÓRICO. LANÇAMENTO.

Gente, é Lisa Kleypas. Preciso dizer mais? A mulher escreve muuuuuito!!! Consegue mesclar romance (sem parecer piegas), aventura e uma dose de comédia que deixa o leitor louco...querendo ler mais.

Neste terceiro livro da série temos a história da Poppy (papoula). Ela é meiga e inteligente e, como todos os Hathaways, não se sente encaixando entre as mocinhas à procura do par ideal. Ela é inteligente demais para os rapazes da temporada, ela os assusta.
Mas tem um que se encanta por ela, Michael Bayning. Vindo de uma família nobre, ele logo se apaixona pelo jeito dela. O único obstáculo é o pai dele que não aceitaria que seu único filho e herdeiro se casasse com alguém como ela. Porque apesar de Poppy ser irmã de um conde, o irmão dela, Leo, só herdou o título há pouco tempo por uma série de falecimentos que houve na família. Isso significa que os Hathaways seriam como os "novos ricos" da atualidade.
Isso sem contar que duas de suas irmãs são casadas com ciganos, um povo claramente visto como inferior pelos britânicos, mais ainda pelos nobres metidos à besta.

Com isso, Michael ainda não contou ao pai sobre seus sentimentos por Poppy, e assim, ela espera.

Enquanto isso, eles trocam cartas de amor, e é uma delas que Dodger, o furão de Bea, irmã caçula de Poppy, rouba e sai correndo pelo hotel, com Poppy em seu encalço.

O hotel era o Rutledge, uma enorme construção de cinco quarteirões em pleno coração de Londres. As famílias nobres que iam para a cidade para a temporada e não tinham casa fixa na cidade, costumavam ou alugar uma casa mobiliada, ou ficar em hoteis. Os Hathaways preferiam este hotel. E esta era a terceira temporada de Poppy e ela já começava a perder as esperanças. Se não fosse Michael, não seria mais ninguém.

Mas Dodger teve outros planos. Ao roubar a carta de amor e fazê-la persegui-lo pelo hotel, ele acabou entrando numa passagem secreta atrás de uma lareira, descoberta por ela por acaso. Ouvindo vozes atrás de si, para não ser descoberta andando pelo hotel sem uma acompanhante e atrás de um furão (oh meu Deus!!), ela decide entrar nessa passagem, e acabou nos braços de um estranho.




Jay Harry Rutledge era um americano radicado em Londres há bastante tempo. Considerado um homem misterioso e um oponente perigoso. Seus amigos queriam matá-lo às vezes, e seus inimigos batizavam seus filhos com seu nome. Ele era pouco visto nas rodas sociais. Até mesmo o baile que ele oferecia anualmente em seu hotel ele não participava. Apenas observava os convidados por um tempo em algum lugar do alto. Num desses bailes ele viu Poppy Hathaway, mas naquela ocasião ela não lhe chamara atenção.
Entretanto, quando encontraram-se num corredor escuro, atrás de uma lareira, assim que Poppy começou a conversar com ele, ele sentiu que ela era uma debutante diferente. Nada de risinhos afetados, conversas sobre o tempo ou comportamento virginal. Ela tinha uma belo corpo, olhos expressivos e um cérebro. E o que espantava os rapazes numa moça, fazia dela uma senhora casada perfeita. E ele decidiu que a teria para si.


"- Se você entendesse alguma coisa sobre o amor - contrapôs Catherine, causticamente -, saberia que Poppy jamais escolheria qualquer outro em vez do homem a quem já entregou seu coração.
- Ele pode ficar com o coração - foi a resposta casual de Harry. - Desde que eu fique com o resto." (pag.61)


Antes, ele precisava dar um jeito de atrapalhar o romance dela com Michael Bayning, e o fez magistralmente.
Harry era um homem que não perdia as oportunidades quando estas surgiam e sempre conseguia o que queria. E ele queria Poppy Hathaway.

Os passos seguidos:
1) Livrar-se do bom moço mas fraco Michael Bayning;
2) Colocá-la numa posição comprometedora;
3) Convencê-la a casar-se com ele.

O que Harry não contava é que os Hathaways não eram somente uns hóspedes constantes de seu hotel que tinham certas peculiaridades - como os bichinhos selvagens de Bea. Mas que eles pouco se importavam com o que a sociedade pensava sobre eles. Por isso, mesmo numa posição desfavorável perante à sociedade, Poppy só iria casar com ele SE ELA quisesse, com total apoio dos homens da família, Leo, o irmão dela, e seus cunhados os ciganos Rohan e Kev Merripen (que por sinal tinnha quase dois metros de altura e já estava pronto para transformar Harry em pasta)...

"- Você é o próximo, Ramsey - disse Harry com ar ameaçador. - Depois que eu acabar com Rohan, vou acabar com você por ter tirado minha esposa de Londres.
- Não - protestou Merripen com calma mortal, dando um passo à frente. - Eu sou o próximo. E vou acabar com você por ter se aproveitado de uma mulher da minha família.
Leo olhou de Merripen para Harry, depois revirou os olhos.
- Então deixa pra lá - disse, voltando à porta da estufa. - Quando Merripen acabar, não vai sobrar nada dele." (pag. 203)


Casamento marcado, agora eles teriam de fazê-lo dar certo e nesse quesito, os fantasmas do passado voltaram para assombrar o casal que não queria ceder à outra parte. E somente descobrindo o que um sente pelo outro poderiam dar uma nova chance à felicidade...

"- Não - declarou ela, enfática. - Ele não vai reagir nada bem. Mas não o estou deixando porque quero acabar com meu casamento. Eu o estou deixando porque quero salvá-lo." (pag. 180)

"- Para o diabo com sua opinião - rosnou Harry, despindo o casaco e jogando-o para o lado. - Não estou pedindo permissão para levar minha esposa daqui. Ela é minha e eu a terei de volta, e que todos vocês vão para o inferno." (pag. 202)


A família Hathaway continua sendo uma em um milhão na alta sociedade. Mas o mais tocante entre eles, para aqueles que têm a oportunidade de conviver com eles, é o amor que sentem um pelo outro, e a capacidade de abarcar mais pessoas a isso. 
Todos os novos membros, Rohan, Harry e até mesmo a dama de companhia Catherine, sentem-se atingidos por esse amor, e isso faz toda a diferença.

O livro é engraçado, é romântico, é lindo.
As capas são DI-VI-NAS!!!
Até agora toda a série está super equilibrada, sem ter um melhor que o outro. É claro que o leitor pode ter esse ou aquele personagem preferido, mas no geral, todos os Hathaways são cativantes.
Faltando apenas 2 irmãos para contar história, Leo e Beatrix. O próximo já tem sua capa escolhida:



Para saber sobre os livros anteriores e a autora, clique LIVRO #1 LIVRO #2


*Gravura de Jon Paul Ferrara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário