quinta-feira, 27 de março de 2014

Julia Quinn - Um Perfeito Cavalheiro (Os Bridgertons #3)



Ficha técnica: Um Perfeito Cavalheiro (An Offer from a Gentleman)
Autora: Julia Quinn
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2001
Lançamento BR: 2014
304 páginas


"Sophie sempre quis ir a um evento da sociedade londrina. Mas esse é um sonho impossível. 
Apesar de ser filha de um conde, é fruto de uma relação ilegítima e foi relegada ao papel de criada pela madrasta assim que o pai morreu. 
Uma noite, ela consegue entrar às escondidas no baile de máscaras de Lady Bridgerton. Lá, conhece o charmoso Benedict, filho da anfitriã, e se sente parte da realeza. No mesmo instante, uma faísca se acende entre eles. Infelizmente, o encantamento tem hora para acabar. À meia-noite, Sophie tem que sair correndo da festa e não revela sua identidade a Benedict. 

No dia seguinte, enquanto ele procura sua dama misteriosa por toda a cidade, Sophie é expulsa de casa pela madrasta e precisa deixar Londres. O destino faz com que os dois só se reencontrem três anos depois. Benedict a salva das garras de um bêbado violento, mas, para decepção de Sophie, não a reconhece nos trajes de criada. 
No entanto, logo se apaixona por ela de novo. 

Como é inaceitável que um homem de sua posição se case com uma serviçal, ele lhe propõe que seja sua amante, o que para Sophie é inconcebível. Agora os dois precisarão lutar contra o que sentem um pelo outro ou reconsiderar as próprias crenças para terem a chance de viver um amor de conto de fadas."

ROMANCE HISTÓRICO. LANÇAMENTO.


"Embora os Srs. Bridgertons sejam apenas isto - apenas senhores -, ainda são considerados dois dos melhores partidos da temporada. É de conhecimento geral que ambos são donos de respeitáveis fortunas, e não é necessário ter a visão perfeita para saber que também possuem, assim como todos os outros irmãos, a beleza da família..."

E foi dada a largada à mais uma temporada de caça aos maridos. E claro, Lady Whistledown, a maior fofoqueira da ton, aquela que ninguém descobriu ainda quem é, não podia deixar de destilar o seu veneno, e, mais ainda, deixar de citar os maiores partidos da cidade, a saber os 2 Bridgertons ainda solteiros e em idade para casar: Benedict e Colin.

O anual baile de máscara oferecido por Lady "mãe" Violet Bridgerton é um dos mais concorridos. Não só pela qualidade do mesmo, mas também porque dá oportunidade das mães de oferecerem suas filhas em bandejas de prata. Como Anthony Bridgerton, o único detentor de um título e mais velho dos irmãos, já se encontra casado - resenha AQUI -, a mãe deles tenta de todas as formas fazer com que seus dois próximos filhos na linhagem conheçam boas pretendentes. O que horroriza sobremaneira a ambos, mas como bons filhos, procuram agradá-la.

Portanto, não seria novidade para ninguém que Benedict estava apenas sendo gentil, pela mãe, em dançar com todas as moças e, em muitos casos, ter os seus pés massacrados. Mas a partir daquele baile, tudo mudou.

Como uma força magnética, ele sentira que algo diferente estava acontecendo. Foi exatamente quando tudo aconteceu...


"Então, quando se virara e a vira, soube no mesmo instante que ela era o motivo pelo qual ele estava lá naquela noite, o motivo pelo qual morava na Inglaterra. Diabo, o motivo pelo qual ele havia nascido."


Por ser um baile de máscaras ele não tinha como saber quem era aquela mulher misteriosa. Mas uma certeza ele tinha: ela seria dele.

Sophie Beckett cresceu sabendo que era a filha bastarda de seu tutor, mesmo que ninguém na casa tivesse lhe dito. Aos três anos de idade ela fora deixada à porta da casa do Conde de Penwood. Apesar do conde não lhe dar muita atenção, ela recebera educação como alguém da nobreza. 
Alguns anos depois o conde casou-se. E junto com a esposa trouxera as duas filhas desta, que estavam com idades próximas a Sophie. Mas ao invés de Sophie ganhar duas irmãs, ela ganha hostilidade.
O conde morre pouco tempo depois, deixando Sophie sob os cuidados da megera.
Uma cláusula no testamento faz com que a condessa tenha que engolir a presença de Sophie na casa, mas isso não ocorreria de maneira pacífica. Sophie fora transformada, aos 14 anos, na serviçal da casa, sem direito a pagamento ou folga.
E assim os anos se passaram...

Agora aos 21 anos, e ainda trabalhando como criada, Sophie teve a oportunidade de participar de seu primeiro baile. Não, ela não havia recebido um convite. Mas os outros empregados da casa acharam que pelo menos uma vez na vida ela merecia ganhar algo.
E foi assim que ela se tornou a Bela do Baile.
E foi assim que ela acabou nos braços de Benedict Bridgerton...



E como toda boa Cinderela, Sophie precisou fugir do baile à meia noite, hora em que os convidados retiram suas máscaras, e um pouco antes do horário de sua patroa e as filhas desta voltarem para casa.
Sophie experimentou a leveza de se dançar uma valsa; a facilidade de sorrir, e seu primeiro beijo.
Ao fugir dos braços de seu príncipe encantado, Sophie perdeu mais do que um sonho, ela perdeu o único lugar que conheceu como lar. No dia seguinte, ao descobrir a fuga de Sophie, a condessa a colocou na rua.

Três anos mais tarde, circunstâncias tenebrosas colocam Sophie e Benedict no mesmo ambiente. Ele não a reconhece sem o bonito traje de festa, o que a decepciona. Mas ainda assim, ele sentia que não poderia deixá-la vagar sozinha pela cidade. Ele a ajuda a encontrar um novo trabalho. Ela o ajuda a se curar de uma gripe forte. Ele lhe propõe que seja sua amante. Não querendo transmitir aos futuros filhos a sina que viveu em ser uma bastarda, ela recusa.

  

A luta entre o sim e o não dos dois é forte e longa.
Sophie tem seus motivos para evitá-lo; e ele tem tantos outros para ficar atrás dela. No final, o desejo fala mais alto e os dois sucumbem à paixão.


Mas como todo conto de fadas ainda passa pelo teste final, Sophie passa por uma grande provação, logo depois de Benedict descobrir que a mulher misteriosa que ele procurara por seis meses estava à sua frente todo aquele tempo. Se quisessem ficar juntos eles teriam de passar por cima das convenções da sociedade e derrotar uma perigosa inimiga...

Este é daqueles livros que você lê suspirando e com um sorriso idiota nos lábios. Isso quando você não cai na gargalhada nas cenas em que os Bridgertons aparecem juntos.
A dinâmica familiar deles é fantástica, sempre implicando um com o outro. E Lady Violet é uma mãe maravilhosa, sempre atenta a tudo.

Percebeu as características de Cinderela? Não tem como fugir. Na verdade, conforme eu lia, eu conseguia ver as semelhanças com o filme "Para Sempre Cinderela", com Drew Barrymore. Inclusive a descrição das filhas da madrasta: a mais velha bela mas insuportável, enquanto a mais nova era meio gordinha, ignorada pela mãe e irmã, e tratava a "borralheira" um pouco melhor.




Somente o "príncipe" era bem diferente. Benedict com seus quase 2 metros de altura definitivamente era um mau caminho inteiro!!!
Há várias partes em que você sente seu coração na garganta pela forma com que Sophie é tratada. E no final, em sua prova final, a injustiça é tamanha que revolta. Mas claro, sendo um Julia Quinn, temos o nosso final feliz.

E você sabia que existe um conto com o mesmo nome, denominado "Epílogo 2", que traz a história de Posy Reiling? Será que a Arqueiro vai trazer para nós como extra em algum livro futuro?

O próximo livro? Traz o queridinho de muitas leitoras, Colin Bridgerton. Ele se verá às voltas com Penelope Featherington, uma amiga querida de sua irmã Eloise. Além da língua ferina de Lady Whistledown. E por falar nela, já começa a aparecer pistas de quem se trata. Será que teremos o mistério descoberto já no próximo livro?

5 Estrelas.




*Gravura 1: foto Pinterest
Gravura 2: ©Alan Ayers
Gravura 3: ©Chris Cocozza

2 comentários:

  1. Sim... não em como nao lembrar do filme Para Sempre Cinderela. Principalmente quando Lady Violet defende Sophie da sua madrasta.

    Senti falta da interação dos irmaos neste livro. Tirando as horas de cha com a Dahpne nenhum dels teve uma participação tão ativa como foi no Duque e Eu e o Visconde que me Amava.

    Do resto, recomendo a leitura e os suspiros....

    ResponderExcluir
  2. Oi Flor!
    Eu amo esse livro! Terminei ele ontem e esse se transformou no meu queridinho da série! Eu dei tanta risada do nada, me diverti muito e fiquei ali aflita torcendo pelos protagonistas! Achei o Ben um lindo! Gentil, um cavalheiro mesmo! Amo ele por ser uma releitura da Cinderela também! Amo o conto!
    E Julia Quinn é Julia Quinn! Super diva!
    Parabéns pela resenha!
    Beijos
    Blog Overdose Literária!
    http://overdoselite.blogspot.com.br/2014/04/resenha-um-perfeito-cavalheiro-familia.html

    E BABEI pelo seu post! Amo o filme também!!

    ResponderExcluir