sexta-feira, 21 de março de 2014

Semana Nacional: Sonia Costa - Voltar a Viver (Volume 1)





LIVRO #5



Ficha técnica: Voltar a Viver
Autora: Sonia Costa
Editora self
Lançamento: 2014
250 páginas


"Após uma grande tragédia que tirou a vida da mulher que amava, Ian Collins se vê com um filho recém-nascido nos braços, entregando-se à dor. Mesmo depois de cinco anos, Ian mantém-se fiel ao amor que viveu, mas o destino lhe oferece uma nova chance de ser feliz. 
Será que um coração despedaçado pode voltar a bater? Quantas vezes podemos chegar à beira da loucura e recobrar a lucidez? Às vezes, o destino nos oferece uma nova chance de voltar a viver."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. NACIONAL.


O livro começa tenso. A hora do parto chega. A parturiente se encaminha para o hospital,, cheia de dor, sendo guiada pelo cunhado. Seu marido está na porta do hospital, como médico pediatra, junto com a equipe, esperando o carro chegar. Estava frio, nevada, chão escorregadio. O carro para num sinal e quando abre, um outro carro vindo no cruzamento, dirigido por alguém embriagado, ultrapassa o sinal e bate em cheio no carro deles.

Pensou o mesmo que eu?
E é assim que tudo começa...

Ian Collins vinha de uma família abastada. Ernest e Anna eram seus irmãos mais que unidos e amados. Todos trabalhavam no hospital da família.
Quando ele conheceu Isadora, num dia de corrida na praia, ele ficou encantado de imediato. O romance deles se deu de forma rápida e imensurável.
Mas tudo terminou naquela tarde, naquele cruzamento.
O bebê nasceu saudável, graças à cesariana feita às pressas, mas Isa não resistiu após alguns dias em coma.

Desolado, Ian afunda-se na tristeza e quase leva a família toda. Mas depois de um sacolejo de sua irmã, ele reage, com o apoio da família.
Eles mudam-se para Edmonds, uma cidade mais interiorana, e antes de irem para lá, o patriarca compra uma clínica local, que estava em vias de fechar as portas.

Com a mudança, após as apresentações dos donos ao resto da equipe de médicos e enfermeiros, Ernest, responsável pela parte administrativa do novo hospital, conhece a Dra. McCallister, parecidíssima com a ex-esposa de Ian. 

A médica foi apresentada a todos da família, exceto a Ian. A família estava empenhada em ajudá-lo da melhor maneira possível a enfrentar aquele novo furacão. Depois de tanto tempo de sofrimento, como ele reagiria ao encontrar-se com uma mulher que era a cópia escrita de sua amada esposa, com a pequena diferença na cor dos olhos?

Elena McCallister era médica pediatra da clínica agora comandada pelos Collins. Era dedicada e respeitada em sua área.
Estava no meio de um processo de separação, após ter sido espancada pelo marido e perdido o bebê. Sua única família era uma irmã a qual não via há sete anos, desde a morte do pai de ambas num acidente de carro.

Ao ser apresentada a Ernest Collins, ela achou estranho o pedido dele em não encontrar o outro médico responsável pela ala pediátrica, Ian Collins. E depois, sendo apresentada ao resto da família, todos mostrando-se surpresos ao vê-la, mas ela decidiu acatar.

Até que numa tarde, ela atende um caso de apendicite, que precisa de uma cirurgia de emergência. Após o procedimento, ao encontrar-se no berçário verificando um dos bebês nascidos prematuros, ela vê um homem olhando-a através do vidro, e pelos olhos dele, parecia estar sofrendo. Quando Anna e Ernest aparecem ao lado deste homem, ela entende tudo e foge. 

Ao encontrar uma mulher tão parecida com sua Isa, Ian pensa estar enlouquecendo, mas depois cai em si de que ela era de carne e osso. A princípio eles se evitam pelos corredores do hospital, mas logo precisam unir forças por causa da ampliação da ala pediátrica, 

Ao ser atacada pelo responsável da obra, Ian aparece para defendê-la e isso acaba por uni-los mais. E a partir daí um relacionamento se inicia.

Ian era daqueles homens que se jogam de cabeça num relacionamento, sem meias medidas. Ele amara enlouquecidamente a Isadora. Após sua morte, ele canalizara toda a sua energia no trabalho e no filho Brian, agora com cinco anos. Ao deparar-se com Elena, ou Lena, passado o primeiro susto e com a aproximação por conta das necessidades de trabalho, ele viu-se mais uma vez enredado num sentimento forte, com possibilidade de futuro.
Seu ciúme por Lena era grande e em alguns momentos, sem razão de ser.  E foi por essas e outras que eles brigaram algumas vezes, mas também tiveram grandes reconciliações...


"Eu vim aqui pra brigar com você por ter desaparecido esses dias todos sem que eu soubesse como ou onde você estava. Eu vim brigar com você por ter fugido de mim sem me deixar consertar a burrada que eu tinha feito. Eu vim aqui brigar com você por me privar de olhar para os seus olhos, por me privar de beijar os seus lábios e por me privar de sentir o seu perfume e tocar o seu corpo. Eu vim brigar com você por me deixar aqui sozinho e desesperado, morrendo de saudades de você. Mas, principalmente, Lena, eu vim brigar por você, pra que você me deixe voltar pra sua vida e para o seu coração, porque, honestamente, eu não sei mais viver sem você."

Mas nem tudo é fácil para eles. Não em relação à família ou amigos, mas porque o ex-marido dela não aceitava o divórcio. O casal começou a ser perseguido e a receber ameaças em forma de fotos.

Vira um verdadeiro suspense porque com certeza o ex de Lena tem alguém no meio deles ajudando-o. Quem seria?

Mas com todos os sustos, o casal se firma, se casa e a família segue em frente...

Gente, a história é praticamente uma saga familiar.
Começa com o nascimento de Brian, filho de Ian e Isadora; passa pela nova paixão de Ian, com Lena; tem os irmãos dele, Ernest e Anna, que também se casam e têm filhos; Brian e os primos crescem; se apaixonam e fica o link do que vem por aí.

A história é muito bem escrita. Já no início, com o acidente, você fica ali, nervoso, querendo saber como tudo vai se desenrolar.
Quando Lena aparece na vida deles, bom, é claro que o leitor já saca qual é a relação entre ela e Isa, mas os personagens demoram a deixar a "ficha cair". E aí, vem todo o problema da aceitação.

O romance não é hot, apesar de ter um capítulo específico que o casal pega fogo.
A dinâmica familiar é o ponto central de tudo. Os pais dos Collins são ótimos e presentes. Os irmãos se dão super bem, adoram o sobrinho, e depois, conforme a família vai crescendo, estão juntos em todas as oportunidades.
O Brian especificamente é o top dos fofos, enquanto criança e depois que cresce.

Há também a questão da segunda chance. Será possível amar em igual intensidade por mais de uma vez? E quando você se sente culpado por algo que aconteceu, há alguma maneira de perdoar a si mesmo e seguir em frente?

O ritmo da história é tranquilo. Sem pressa.
Os personagens são carismáticos, em especial por conta da interação familiar. Você fica querendo fazer parte da família Collins.
Ponto positivo: a descrição dos personagens, o ritmo, o drama colocado no momento certo (porque quando você vê que o casal Ian-Lena já está para ficar junto, dá a sensação: "ué, acabou?")
Ponto negativo: Isso já é uma opinião minha, independente de como o mercado tem apresentado a narrativa atualmente: de uns tempos para cá deu-se valorização aos livros escritos em primeira pessoa. Às vezes isso fica até meio chato porque assim você tem apenas um ponto de vista. Neste livro nós temos os dois tipos: todo capítulo começa narrado na terceira pessoa. Uns parágrafos à frente começam os POV em primeira. O problema é tem POV demais! Tem capítulo que chega a ter 5 ou 6 POV. Ao todo são mais de 10 personagens dando sua opinião. Tudo bem que você lembra quem é quem, mas é gente demais dando pitaco... Há quem goste. Eu particularmente prefiro no máximo 2 POV, geralmente do casal central.
Se pretendo ler a continuação? Possivelmente, não só porque gostei da família Collins, como também porque Brian é um personagem apaixonante. E agora ele está adulto e apaixonado.

Não sei se o livro impresso encontra-se à venda nas lojas, mas com certeza pode encontrá-lo no site do Clube de Autores.

4,5 ESTRELAS.

Sobre a autora



Um comentário:

  1. Oi, Vânia,

    comecei a ler a resenha acreditando que se tratava de mais um livro água com açúcar, daqueles q tudo de ruim acontece com os personagens principais mas eles ficam juntos no final. Que bom q me surpreendi! Pela sua resenha vi que não é só isso, o livro tem um enredo q se sustenta até o final e parece não focar apenas no casal. Me encantei!

    Parabéns pelo blog!
    Adriana Medeiros
    minhavelhaestante1.blogspot.com

    ResponderExcluir