quarta-feira, 5 de março de 2014

Semana UDL: Christina Lauren - Playboy Irresistível (Beautiful Bastard #3)


LIVRO #3




Ficha técnica: Playboy Irresistível (Beautiful Player)
Autoras: Christina Lauren
Lançamento original: 2013
Lançamento BR: 2014
360 páginas

"Uma linda nerd. Um incorrigível Don Juan. E uma aula de química só para maiores...

Quando Hanna Bergstrom escutou de seu irmão que ela precisava ter uma vida social e se libertar um pouco da faculdade, ela jurou que iria cumprir essa tarefa: sair mais, fazer amigos, começar a namorar. E quem melhor para transformá-la na garota dos sonhos de todo homem do que o lindo melhor amigo de seu irmão, o investidor e playboy assumido Will Sumner? 

Will ganha a vida assumindo riscos, mas a princípio ele não bota fé na transformação daquela garota desajeitada... até que numa noite selvagem, sua inocente pupila o seduz e acaba ensinando uma lição sobre o que é ficar com uma garota ardente e... inesquecível. 

Agora que Hanna descobriu o poder de seu próprio sex appeal, resta a Will provar que ele é o único homem que ela precisa."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. ERÓTICO.

Ela é linda, mas é nerd. Tem conhecimento dos assuntos mais variados e, poderíamos até dizer, em alguns momentos, considerados "cultura inútil". Mas esse era o charme de Hannah. Ela falava as coisas mais estapafúrdias em certos momentos e que se encaixavam à perfeição.

Will é o cara bonitão. Não, ele não era o lindo de fazer a mulherada torcer o pescoço, mas ele tinha presença. Seu corpo era perfeito e bem moldado pelas maratonas que ele adorava participar como hobby. Ele é um dos sócios de Max (livro #2) e está sempre no meio dos encontros dos amigos casais, Max e Sarah e Bennet e Chloe. Mas jura que não quer se amarrar em ninguém.
Will prefere encontros casuais. Muito sexo, zero compromisso. Para isso ele já tem duas mulheres na certa para transar, uma às terças, outra aos sábados.

Mas seu melhor amigo de infância, Jensen Bergstrom, pede que ele ajude sua irmãzinha caçula a se enturmar mais. Hannah só sabe estudar e trabalhar nas pesquisas em seu laboratório. Nada de vida social. E então, Will tem a ideia de incluir Hannah em suas corridas matinais...

As corridas vieram primeiro; depois os cafés da manhã ou almoços para colocar o papo em dia e passar algumas informações de traquejo social; depois vieram os encontros. Nada muito sério, mas o jeito meigo, sincero e "sem filtro" de Hannah pegou Will de jeito, e aí...

"E assim, de repente, Hannah se tornou minha dona."
(pag. 180)


Os amigos perceberam isso de Will, mas Hannah não.

Na cabeça dela, Will seria sempre o fruto proibido de seus sonhos. Ela gostava dele desde a adolescência, quando ele estava sempre pela sua casa na companhia de seu irmão, ou mais tarde quando trabalhou com seu pai num período de estágio. E ainda houve a ocasião em que ela viu Will e sua irmã dando um amasso no escurinho do quintal, e como esta ficou devastada pelo relacionamento não ir para frente. Definitivamente Will era um playboy com todas as letras. Ou, como ela gostava de dizer, ele era um jogador, e suas regras eram claras em relação a não envolvimento emocional.

A princípio Hanna aceitou esse jogo. Ela precisava mesmo sair mais para se divertir, nada melhor do que fazer com alguém em quem ela confiava e já gostava da companhia. Mas depois, mesmo tendo corroborado com as regras dele, ela não se sentia mais a mesma. E após passarem o feriado de Páscoa na casa dos pais dela, a mesma casa onde moraram por tantos anos, Hannah se deu conta de que tudo havia mudado.
E como seria para Will?



E foi dada a largada em mais um momento em que tudo pode acabar ferindo alguém... ou entrar em combustão espontânea!!

O Ministério da Saude adverte: este livro causa calor em excesso e palpitações. Possibilidade de troca de roupas íntimas ao longo da leitura. E vontade irreconhecível de entrar nas páginas do livro e ser a personagem principal. Dependência e depressão pós livro por não encontrar um Will para chamar de seu.

OMG!!!! Quando você pensa que Christina e Lauren não podem ir mais além, elas se superam!!!

A história é hot do começo ao fim.
Hannah precisava de uma sacolejada na vida e Will encaixou-se (literalmente) como uma luva.
Mas além de todo romance, o livro é bem escrito, é divertido, é viciante. 
Você termina este já pensando no próximo da série, que por sinal já está despontando por aí em breve.



O ritmo é excelente. (Gente, ontem mesmo fiz a resenha do outro livro da série, e lá tem o link das 2 resenhas anteriores. Se ainda não leu, está esperando o quê???) 
Personagens sempre carismáticos, de fácil e rápida conexão.
Ponto positivo: a forma com que a história é levada, os pequenos saltos no tempo para não tornar a narrativa maçante; os pontos de vista de ambos os personagens (sempre daquele jeitinho: mudando a fonte para indicar de quem é a fala); a transformação de cada personagem à vista do leitor, sem mudanças bruscas ou mágicas; e o aparecimento dos personagens de livros anteriores aumentando a conexão já existente.
Ponto negativo: só quando acaba... Você quer que continue para saber o após felizes para sempre.

Da parte técnica: Parabéns à editora. A revisão e diagramação estão impecáveis. E virei fã de carteirinha de Felipe CF Vieira, o tradutor. Cara, você arrebenta na tradução, colocando as palavras certas (em especial nas cenas mais quentes), sem usar eufemismos. É o mesmo do livro da Sylvia Day (já resenhado no início da semana). Parabéns!!!

E para quem está mais perdido que cego em tiroteio e quer saber a sequência certa de leitura dos livros, a editora disponibilizou um quadro explicativo e quais personagens aparecem em cada um:



5 Estrelas.

UDL, quando sai o próximo da série????


Nenhum comentário:

Postar um comentário