domingo, 18 de maio de 2014

Hannah Howell - A Bela e a Fera



Ficha técnica: A Bela e a Fera (Beauty and the Beast)
Autora: Hannah Howell
Editora Nova Cultural (já extinta)
Lançamento original: 2007
Lançamento BR: 2008
319 páginas


"Por trás das aparências...

Às vésperas de seu casamento, Gytha Raouille, uma jovem de rara beleza, descobre que o noivo está morto. E agora ela deve se casar com o novo herdeiro das terras de Saitun, um cavaleiro endurecido por muitas batalhas, conhecido como Diabo Vermelho...

Com o rosto marcado por cicatrizes e o coração ferido por uma desilusão, a última coisa que Thayer Saitun deseja é uma esposa. Porém, nem mesmo o Diabo Vermelho consegue romper o compromisso assumido por seu pai adotivo anos atrás. Assim, ele se vê unido a uma mulher linda e inocente. Mas seria a doce Gytha capaz de enxergar além das aparências e descobrir os sentimentos profundos que ele guarda na alma?"



ROMANCE HISTÓRICO. 

Primeiro de tudo esse livro, apesar de eu tê-lo lido na forma impressa, está totalmente fora de catálogo.
A editora faliu há poucos anos e a Harlequin, que é a editora de livros de banca, não o lançou. Mas assim como eu encontrei num sebo, acredito que muitas de vocês também possam fazê-lo. Ou, para desespero das editoras, mas que neste caso não nos deixa alternativa, procurá-lo em pdf digitalizado.

Depois, sabemos que os livros de época sempre têm suas histórias girando em torno de uma dama qualquer à procura de um casamento ou tentando fugir de um. O que seria lugar comum para participar desta maratona de noivas.
Mas este foi escolhido porque a noiva prometida, num curto período de tempo, passou por 3 NOIVOS DIFERENTES. Isso já bastou para que ela fosse incluída à lista.

A história se passa em 1365. Gytha é a única filha, tendo 3 irmãos - John, Fulke e Bayard -, e fora prometida em casamento desde seu nascimento.
O caso é que no contrato de promessa feito entre os pais, o nome dela constava no arranjo, mas o do noivo só constava como sendo o herdeiro das terras de Saitun. Como naquela época a Peste assolava o que existia do mundo, o pai do noivo preferiu não arriscar, sem saber qual dos seus filhos sobreviveria.

Um pouco antes da época do casamento, estava tudo certo para que Gytha se casasse com o mais velho, William. Mas daí, receberam a notícia que tanto William, quanto o segundo na linhagem, o primo Thayer, haviam morrido em diferentes batalhas. Assim, Gytha se casaria com o caçula, Robert.

Acontece que no dia anterior ao casamento, Thayer aparece com todo seu séquito. Ele não tinha titulo, nem terras. Ele vivia de sua espada, vendendo seu trabalho como guerreiro e sendo bem pago por isso. Seus guerreiros eram compostos por homens sem terra como ele, ou ainda por bastardos sem família.

Ainda havia um outro problema em relação a Thayer: ele era ruivo e não era nada bonito, com tantas cicatrizes pelo rosto e corpo. 

Thayer Saitun havia sido criado pelo seu tio e amava sua família. Aceitava bem o fato de que não teria nada na vida. Seus bens viriam de conquista própria. Mas ainda tinha o problema de sua aparência. Ele não era bonito como seu primo William. Era alto demais, vermelho demais e ainda tinha as cicatrizes. Ele tinha plena consciência que as mulheres que se deitavam com ele o faziam por suas moedas.



Se tudo se resumisse à aparência dele e o fato de que ela teria de se casar seja lá quem fosse o prometido....

O terceiro herdeiro da linhagem, Robert, não gostou nada disso. Ele realmente estava apaixonado por Gytha. E para piorar, o tio que lhe criara era um homem ambicioso, que queria as terras de Saitun, mas também queria Riverfall, as terras que eram o dote de Gytha.

E Thayer tinha os próprios monstros a enfrentar.
Anos antes ele se apaixonara por uma mulher linda na Côrte, Elizabeth Darnelle. Durante anos eles foram amantes e no final, ela desdenhou do amor dele, até mesmo tentando matar o filho que tiveram juntos. A partir daí, Thayer não quis mais se apegar a qualquer outra, em especial se ela fosse bela. E acontece que Gytha era famosa por sua beleza.

Com tantos conflitos se cruzando não tem como o livro ficar entediante porque você nunca sabe de onde virá o próximo ataque.

O ritmo é muito bom, bem ambientado, sem se perder tempo demais em certas descrições.
Os personagens cativam. Thayer faz parte do estilo homem com cicatriz, bem aos moldes de Fera. E os personagens secundários também trazem sua força, como os irmãos de Gytha; Margaret, a prima dela e Roger, o segundo em comando do exército de Thayer.
O romance deles é lindo porque dá para acompanhar o sentimento crescendo. Claro que com toda aquela beleza dela, ela não seria indiferente a ele. E mesmo ele achando que ela jamais amaria um homem horroroso como ele, a primeira coisa que ela notou ao vê-lo foi a beleza e bondade em seus olhos. Além disso, mesmo não sendo lindo como William, ou até mesmo tendo a aparência normal de Robert, Thayer transmitia uma beleza selvagem e viril que raramente se encontrava. 
Um stand alone apaixonante. 

5 estrelas.




*Gravura de Jon Paul Ferrara: www.jonpaulstudios.com

Um comentário:

  1. mesmo tendo lido esse livro há algum tempo eu tive que parar para ler sua resenha... Awnn <3 eu gosto muiito desse livro! é um dos melhores da Hannah para mim (não sou muito fã dos somente históricos dela, prefiro os históricos sobrenaturais) Como eu gostaria de encontrar esse livro para ter ele comigo *_*
    Sem falar que a gente se diverte nessa leitura gostosa que é o romance deles dois...
    www.minhasegundaface.blogspot.com.br

    ResponderExcluir