quinta-feira, 5 de junho de 2014

E. L. Montes - Perfectly Damaged



Ficha técnica: Perfectly Damaged
Autora: E.L. Montes
Editora self
Lançamento original: maio/2014
Lançamento BR: ainda não
372 páginas

"Transtorno esquizoafetivo: uma doença mental em que uma pessoa experimenta uma combinação de transtorno de humor e sintomas da esquizofrenia. Eu sei sobre esta doença muito bem porque eu sofro isso. Já se passaram quatro anos desde o meu diagnóstico, e desde então, eu tenho vivido em um buraco negro. Vozes constantemente invadindo os meus pensamentos. Alucinações. Tudo o que me força a questionar se o que eu estou experimentando é ainda a realidade. Mas aqui estou eu, ainda pendurada, ainda respirando e vivendo através dele. Isto é, até que ele tropeçou em minha vida. 

Logan Reed. Eu não quero fazer parte dele. Eu o empurrei, mas ele não é facilmente dissuadido. Eu disse a ele que eu sou diferente, mas ele não se importa. Ele está tentando quebrar minhas barreiras lentamente. Estou tentando com todas as forças impedi-lo de conseguir. Ele não sabe como realmente eu sou; o que vai acontecer quando ele souber? Eu sei a verdade - Ele nunca será capaz de olhar para mim da mesma forma novamente. Assim como todos os outros."



ROMANCE CONTEMPORÂNEO. TEMA ADULTO. NEW ADULT.

A felicidade tirada pelas mãos do destino...

Jenna vinha de uma família bem situada economicamente; tinha uma irmã que era sua melhor amiga e um futuro brilhante pela frente. Sua veia artística era bem desenvolvida; seus desenhos e pinturas demonstravam bem os sentimentos por trás deles. Mas o destino quis mudar as cartas desse jogo e Jenna acabou herdando de sua avó materna o que sua mãe mais temia. Uma desordem que mudou o rumo da familia.

A depressão esquizoafetiva não é exatamente a esquizofrenia, mas alguns dos sintomas são similares, como ouvir vozes. Jenna começou a mostrar sinais da doença e recebeu total apoio de seu pai e irmã e da melhor amiga desta, Charlie. Mas quando tudo parecia poder se encaixar, eis que uma catástrofe ainda maior abala a estrutura da família e Jenna nunca mais seria a mesma.

... e a possibilidade de recuperá-la.

Aos 21 anos Jenna tentava levar um dia de cada vez. Sua carreira artística ficara para trás, assim como a intenção de fazer uma faculdade. Seus dias eram preenchidos por idas à terapeuta e assistir TV.
Até que sua mãe decidiu fazer uma casa de hóspede na área da piscina e contratou uma empresa. Jenna não tinha a menor ideia do porquê sua mãe queria que ela participasse dessa empreitada, as duas não tinham nada em comum e com o agravamento da doença dela, seu relacionamento só piorou, mas ela resolveu ceder e participou do primeiro encontro com o empreiteiro. E foi a partir daí que Jenna entrou em contato com Logan...

  

Logan trabalhava na empresa do tio e havia ido até a casa de Jenna para buscar uma caixa de ferramentas esquecida lá. No início nada de mais aconteceu, quando Jenna acompanha Logan até a porta e vê se aproximando um possível pretendente interessado nela, ela corre e pede que Logan a beije.

Fogos de artifícios? Sim e não. Com certeza o beijo mostrou-se mais do que apenas um espanta candidato, mas Jenna tinha decidido, depois de uma decepção amorosa mais do que desastrosa que, na condição dela, qualquer relacionamento afetivo estava vetado.

Mas alguém esqueceu de contar a ela que Logan não era fácil de ser demovido.
Aí começa o plano de Logan em quebrar as defesas de Jenna uma a uma.

O cara perfeito? Longe disso. Logan tinha sua parcela de erros e também carregava um fardo de seu passado. Mas sentir-se culpado por algo era bem diferente de ter uma doença incurável.

A cada dia Jenna sentia-se mais atraída por ele, mas como confessar os seus demônios interiores? Como abrir-se se seu passado tinha mais cores cinzentas que o feliz amarelo do nascer do sol?
Isso, Logan teria de mostrar a ela... detalhe por detalhe.



A princípio, ao ler a sinopse, eu imaginei que terminaria lendo aos prantos. Mas isso me surpreendeu porque apesar do tema parecer pesado, a autora conseguiu levá-lo de forma tranquila.
Sim, há trechos sobre os episódios (ataques) de Jenna; lembranças do que ocorreu com ela; o motivo da morte de sua irmã; o relacionamento difícil dela com a mãe; mas nos capítulos em que o POV era de Jenna - alternados pelo de Logan -, o leitor consegue captar exatamente o que se passa com ela e, apesar de não se poder culpar alguém quando uma pessoa tem uma doença desse tipo, facilmente se encontra quais foram os gatilhos que deram início a tudo isso, e ainda dão nos episódios mais recentes.

Logan por sua vez é um carismático de marca maior. Não tem como não se apaixonar por ele. Ele sabe a forma certa de se aproximar de Jenna, arranhar o seu escudo protetor sem forçar demais. Ao mesmo tempo em que vai tomando conhecimento de seu passado. Isso sem contar que sua aparência boa pinta ajuda um bocado, com seu corpo esculpido à GI Joe, seus braços tatuados e até aquele boné horroroso que ele teimava em usar sobre o cabelo cortado bem baixinho.

O ritmo é bom, sem pressa. A parte principal da história se desenvolve ao longo de três meses.
Os personagens são fortes, tanto os bons, quantos os maus. O relacionamento de Jenna com a mãe não é nada bom (o velho caso de pais que ao perderem um filho, acabam por se comportar como se o outro não existisse mais); a fortaleza que Jenna encontra na amizade doida com Charlie; um desafeto seu do tempo da escola, Blair, retorna atrapalhando seu esforço em melhorar. Da parte de Logan, há a família de seu tio e seu primo Bryson, que dão apoio incondicional a ele há anos; a ausência do pai; a fortaleza que foi a sua mãe, e sua perda particular também,

Acho que a autora soube levar todo o assunto muito bem, pontuando a importância do apoio de familiares e amigos e como o contrário disso pode tornar tudo muito pior. Além do que, longe de mostrar que um romance - o amor romântico - poderia ser a cura para o problema de Jenna, enfatiza que com o tratamento adequado, uma pessoa que possui algo parecido a isso pode ter a vida mais normal possível, levando seus projetos adiante e tendo a esperança em dias melhores.

É um romance que não será unanimidade. Vi alguns comentários em outras resenhas falando que a autora deveria ter dado mais ênfase ao romance do que, por exemplo, gastar páginas mostrando a amizade de Jenna com Charlie. Eu discordo. Acho que cada etapa sofrida/vivida pela personagem tornou a história mais rica e verossímel.

Um ponto extremamente positivo: é stand alone, sem cliffhanger e com um final fofo.

5 ESTRELAS.

Para adquirir: Amazon  |  Barnes & Noble  |  The Book Depository

Sobre a autora


Goodreads  |  Facebook  |  Website  |  Twitter

Um comentário:

  1. Te confesso que quando vi essa capa desse livro eu achei que seria um livro doce e meigo,mais olhando agora a sinopse vejo que é bem diferente com certeza eu vou ler gostei sobre o tema que a autora abordou obrigada pela dica de leitura.

    ResponderExcluir