segunda-feira, 14 de julho de 2014

John Green - A Culpa é das Estrelas



Ficha técnica: A Culpa é das Estrelas (The Fault in our Stars)
Autor: John Green
Editora Intrínseca
Lançamento original: janeiro/2012
Lançamento BR: 2012
288 páginas

"A culpa é das estrelas narra o romance de dois adolescentes que se conhecem (e se apaixonam) em um Grupo de Apoio para Crianças com Câncer: Hazel, uma jovem de dezesseis anos que sobrevive graças a uma droga revolucionária que detém a metástase em seus pulmões, e Augustus Waters, de dezessete, ex-jogador de basquete que perdeu a perna para o osteosarcoma. Como Hazel, Gus é inteligente, tem ótimo senso de humor e gosta de brincar com os clichês do mundo do câncer - a principal arma dos dois para enfrentar a doença que lentamente drena a vida das pessoas."

ROMANCE CONTEMPORÂNEO. CHICK LIT. DRAMA. YOUNG-ADULT.


"Eu não creio que todos devem manter os seus olhos, ou não ficarem doentes, ou qualquer coisa desse tipo. Mas todo mundo DEVERIA ter um amor verdadeiro, e ele deveria durar enquanto você estivesse vivo." - Isaac



Um livro lançado há dois anos, lido por milhões de pessoas, e mais tantas outras que o estão fazendo ou farão, assim como eu, após terem visto o filme.
Fiz isso por opção. Tinha o livro em casa há meses, mas não tinha coragem de lê-lo, pela simples razão de ter o desfecho que tem. Mas o trailer acabou por me fazer render.



Hazel e Augustus são dois jovens, como outros que se encontram num grupo de apoio a sobreviventes do câncer, que têm suas vidas comandadas por uma maldita doença. Doença esta que não poupa sexo, idade, estado civil, cor ou religião. Você pode nunca ter bebido álcool e ter câncer no fígado, ou nunca ter fumado e ter câncer no pulmão.

A grande sacada do livro - já que nem adianta eu fazer uma resenha pormenorizada já que a história é mais do que conhecida do grande público - é como você leva sua vida a partir do diagnóstico.

Uma criança descobrir que tem essa doença maldita e sequer ter a esperança de cura? Sim, é revoltante. E essa é a vida de Hazel.
Ao ser diagnosticada aos 13 anos, de um raro câncer na tireóide, ela não teve a esperança de ver sua vida sair desse martírio, já que um pouco depois, apesar da quimioterapia, o câncer espalhou em seus pulmões criando, como ela diz, uma "colônia". Sua vida poderia ser encurtada se não fosse uma droga experimental na qual a maioria dos pacientes não estava se dando bem, mas, por alguma razão, funcionava bem com ela. Isso estenderia sua vida por mais alguns anos. Mas como seus pulmões não funcionavam por si só, ela sempre precisava andar com uma cânula e tubo de oxigênio onde quer que fosse. Por isso mesmo ela deu ao tubo o nome carinhoso de Felipe.

Tudo em sua vida era uma questão de esperar o "quando", e não o "se".
Nada de ir normalmente à escola; e isso queria dizer que ter uma vida social normal de uma adolescente de 16 anos estava fora de cogitação. 
Sua vida era estudar a partir de casa, comer, dormir e assistir realities shows de gosto duvidoso.
O máximo de vida social para ela seria participar de uma reunião de grupo de apoio a quem sofria a doença, assim como ela. E ela odiava ir em tais reuniões.

Mas foi numa dessas reuniões que ela conheceu um rapaz, o Augustus, ou Gus. Aos 17 anos ele estava se recuperando do osteosarcoma, havia amputado uma das pernas, tinha os olhos claros mais vivos e o sorriso mais lindo que ela já vira. E não parava de encará-la.





Começa a amizade; eles trocam similaridades e divergências; um livro torna-se o ponto central de suas discussões e os leva a Amsterdã; a vida segue seu rumo.
E mesmo sendo um livro com temática tão real e tão dolorida, ainda dá tempo para acontecer um dos romances adolescentes mais fofos da história da literatura.






Os personagens são fortes, vibrantes.
O casal principal é a alma e o coração de tudo, mas confesso que o melhor amigo de Gus (o mocinho principal e par romântico de Hazel), Isaac, também é uma graça. É dele a fala que cito no início da resenha.

O ritmo é bom, com alguns saltos no tempo de poucos dias.
Apesar do clima triste, do final fatídico, há toda uma aura de positividade: viva a vida de forma bela e sábia. Aproveite a família, os amigos, o momento. Seja otimista mesmo em meio às adversidades. E é aí que o personagem de Gus - Augustus -se destaca tanto. Ele é um otimista incorrigível e tem o dom de fazer os outros sorrirem. 

O mundo precisa de mais Gus por aí...

O ponto negativo seria o final em si. Mas quem disse que a vida é uma máquina de satisfazer seus desejos?
Vale a pena a leitura, vale a pena ver o filme. É young-adult, sem cenas polêmicas; liberado para qualquer idade.

E sobre o livro tema de conversa entre o jovem casal, com o título de "Uma Aflição Imperiosa", foi baseado num trecho de um poema de Emily Dickinson, com tradução abaixo - por Fernando Campanella:

Há uma certa inclinação da luz
em tardes invernais
que oprime como o peso
dos tons dos hinos nas catedrais.

Celestial ferida nos impõe,
nenhuma cicatriz incita
salvo interna diferença
onde o significado habita.

Ninguém nada pode lhe ensinar,
ela é o selo-desespero,
uma aflição imperiosa
enviada a nós do ar.

Quando chega, a paisagem atenta,
as sombras cessam o respirar,
quando parte, é como a distância

no olhar da morte a se alongar.

Lindo, limpo, inspirador, sofrido, amoroso... e como Gus queria, inesquecível.



5 BELAS ESTRELAS!!!

Sobre o autor




*GIFS página Tumbl do autor
**Poema traduzido de Emily Dickinson, "There`s a Certain Slant of Light", por Fernando Campanella em PALAVREARES

Nenhum comentário:

Postar um comentário