terça-feira, 6 de janeiro de 2015

Stephanie Laurens - A Rake's Vow (Cynster #2)




Ficha técnica: A Rake's Vow
Autora: Stephanie Laurens
Editora Avon Books
Lançamento original: 1998
Lançamento BR: ainda não
374 páginas 
Gênero: Romance histórico
POV: terceira pessoa

Protagonistas: Spencer "Vane" Cynster e Patience Debbington
Local/ano: Northamptonshire; Londres/ 1819

"Ele jurou que nunca iria se casar:

Vane Cynster sempre soube de que lado o vento estava soprando, e este estava se dirigindo para o matrimônio. Os outros homens Cynster podem não se importar de serem levados ao altar, mas Vane nunca quis ter as pernas acorrentadas a qualquer mulher, não importa o quão aprazível. 
Bellamy Hall parecia o lugar perfeito para se esconder temporariamente das caçadoras de marido de Londres. Mas quando ele encontrou a irresistível Patience Debbington, Vane percebeu que tinha encontrado seu par e logo ele tinha mais que sedução em sua mente.

Ela prometeu que nenhum homem iria pegá-la:

Patience não estava prestes a sucumbir às propostas sensuais de Vane. Sim, seus beijos a deixavam tonta; suas carícias a faziam derreter; mas ele era arrogante, presunçoso ... e, apesar de seus protestos, estava fadado a ser infiel, como qualquer outro homem. Pacience tinha prometido a si mesma que nunca se tornaria vulnerável a um coração partido. Mas não seria este um voto feito para ser quebrado?"

Com o casamento do duque de St Ives, Devil, seu primo mais velho por poucos meses, e tendo Honoria como a matriarca agora da família - que apesar de ser doce, também sabia ter mãos de ferro -, Vane não estava nem um pouco interessado em ser "amarrado".
Normalmente os homens Cynster eram caçados pelas mães casadoiras, mas com o "ar" transpirando matrimônio, o melhor era dar uma sumida estratégica.
Pelo menos era isso que Vane pensava quando, ao ser surpreendido por uma chuva, antes de conseguir chegar à sua propriedade, ele decide visitar sua madrinha Minnie Bellamy, ou Araminta Bellamy, viúva de Sir Humphrey Bellamy. Vane e Devil passavam temporadas na propriedade dela, Bellamy Hall, quando eram crianças. Lá, ele poderia chegar a qualquer momento sem se anunciar, que seria bem recebido.

Vane recebeu este apelido do primo Devil, que dizia que ele "tinha a capacidade de descobrir de que lado o vento assoprava e o que ele trazia". Vane e sua perspicácia eram notadamente conhecidos. Por isso que, mesmo determinado a não se casar tão cedo, ou nunca se possível, ele soube detectar quando tinha perdido a aposta para o destino...

"Ele sentiu a consciência de que ela tinha queimado ao seu toque, o tremor de que ela percebera e não tinha sido capaz de esconder.
Atrás dele, relâmpagos. Ele olhou para o dia enegrecido. O trovão retumbou - um segundo depois, os céus se abriram. A chuva caiu sem piedade,  gotas pesadas esconderam a paisagem.
A mensagem do destino não poderia ter sido mais clara; a fuga era impossível ..." (pag 09)

E assim como seu primo Devil, um dia de tempestade havia trazido a Sra. Cynster aos seus braços.

Patience era sobrinha de Minnie. Ela estava ali, em Bellamy Hall, por um pedido da tia, para começar a apresentar o seu irmão mais novo, Gerrard, à sociedade. 
Com 26 anos, Patience não estava mais no páreo para o casamento, e ela também não pensava nisso. Sua única preocupação era seu irmão, que, aos 17 anos, estava em pleno vigor da vida, sempre com seus desenhos das paisagens por onde passavam e facilmente fascinado por tipos errados. E ela tinha certeza que Vane era um desse tipo.

Conhecidamente como mulherengo, sua fama o precedia, tudo que Patience não queria era que Gerrard se sentisse compelido a imitar as ações de Vane. Isso sem contar que a herança genética já falava alto.
O pai de Patience e Gerrard não era um homem que valorizava a família. A mãe deles fora perdidamente apaixonada pelo marido e achava certo tudo que ele fizesse, mesmo que isso significasse ele ficar mais tempo em Londres do que no campo, perto da família. Patience viu sua mãe definhando de amor, por isso, prometeu a si mesma que jamais se casaria a não ser que o homem em questão a amasse tanto quanto ela a ele.

O que seria para ficar pouco tempo acabou tornando-se uma estada prolongada.
De primeiro Vane tinha certeza que a Srta. Debbington iria se tornar sua esposa, tudo era uma questão de como ele faria para convencê-la de tal coisa. Depois, Minnie veio lhe pedir ajuda para resolver um estranho mistério.

Como Minnie estava com mais outros convidados em sua casa - um casal de primos, um poeta, um General, uma senhora surda e outra beata, além de um historiador -, ela queria descobrir quem poderia ser o ladrão e/ou fantasma que rondava a propriedade.
Desde a chegada dos sobrinhos, pequenos objetos, mesmo sem valor real, estavam desaparecendo; além disso, sons estranhos de madrugada, como quebrar de pedras, eram ouvidos por todos.
Como um Cynster nunca foge de um desafio, Vane decide ficar.

Enquanto se aprofundava conhecendo os convidados de sua madrinha, Vane procurava se aproximar de Patience. Ela continuava a repeli-lo, até que numa noite, ela decide ser tremendamente direta com ele e a conversa se torna um tanto ofensiva. Pouco tempo depois, ela fica sabendo o real motivo da permanência dele na propriedade e como eram na verdade todos os homens Cynster. Mortificada pelo erro, ela decide se desculpar, e vê que, na verdade, Vane seria uma boa influência para o seu irmão.
Ela havia criado o irmão nos últimos anos, mas tinha consciência de que ele precisava de um tutor para ser instruído nos aspectos masculinos.

Com o passar dos dias, a proximidade de ambos se estreita. Ele era belo, tinha o porte de um cavalheiro, sua tia era encantada por ele, assim como as outras mulheres mais velhas que o conheciam há anos, os empregados todos de Bellamy Hall o respeitavam e ele não era nenhum caça dote. Sua fortuna era ampliada por investir em terras - como todos os Cynster faziam - mais ainda por ter plantações de cevada, maçãs, peras e cerejas, em seu lar, Pembury Manor.
O jogo de sedução que eles passaram a jogar era de dois oponentes fortes. Mesmo sem ter a experiência dele, Vane admitia para si que Patience conseguia nocauteá-lo; ele precisava jogar com todas as armas que tinha...

"Esta era uma sedução que ele tinha, precisava, gerenciar perfeitamente - dessa vez, havia algo mais além do simples ato. Seduzir Patience Debbington era muito importante para ser apressado - conquistar seus sentidos, seu corpo, era apenas o primeiro passo. Ele não a queria  apenas uma vez - ele a queria  por toda a vida." (pag 109)

Enquanto isso, mais roubos continuavam a acontecer, mas o tal fantasma havia dado um tempo em aparecer. Era hora de Vane tomar medidas mais drásticas. Tirar todos da casa e levá-los a Londres era a única opção para melhor vasculhar o local e para colocar Patience numa posição na qual ela não teria escapatória. Estava na hora de exibir os encantos da família Cynster...



Já que não dá para fugir dos designios do destino, que tal usar a melhor arma que se tem à mão? Nesse caso, já que Patience teimava em pensar que Vane poderia vir a se comportar como o pai dela, como um conquistador dissoluto que pouco se importava com a família, ela teria de ver in loco como os Cynster eram em família.

Quando ele pede à Honoria que dê um de seus bailes privados, apenas para a família e convidados muito bem selecionados, ele leva Patience a um novo patamar de como uma família de verdade se comporta. Claro que os outros primos aparecem em peso e a tiram para dançar - dessa vez sem aposta ou Honoria poderia cortar o pescoço deles! Mas o que na verdade mais toca o coração de Patience é a forma com que o duque e a duquesa se comportam entre si e com o pequeno herdeiro, Sebastian.

Diferente de outros casais da sociedade, independente de seus títulos, Devil e Honoria tinham um comportamento totalmente atípico quando se tratava de seu filho. Sebastian era um bebê amado, que era disputado por todos para tê-lo no colo, ao invés de só ser relegado aos cuidados da babá, e quando ele estava no colo do pai, o duque não se importava de que seu filho lhe estragasse o nó perfeito da gravata. Momentos assim fizeram com que Patience vislumbrasse um futuro possível e sempre desejado por ela.

Patience vê seu irmão ser injustamente acusado dos roubos, numa forma de cortina de fumaça, e vê-lo ser salvo pela família que já os considerava como fazendo parte.

O ladrão de Bellamy Hall ainda teria de ser pego, e logo eles descobrem uma maneira de fazê-lo cair na própria ratoeira.

Entre mistério a ser solucionado e segredos familiares vindo à tona, o romance termina como deve ser.
A camaradagem e apoio incondicional entre os primos mais uma vez é mostrada, mesmo Devil, já casado.
Na festa familiar no fim do livro, o único primo ausente é Richard Scandal, que precisou fazer uma viagem a respeito de uma herança de sua falecida mãe.
Pergunta se algum primo o aconselhou a manter-se longe de tempestades e moças descompromissadas?....

5 ESTRELAS.


Nenhum comentário:

Postar um comentário