sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Tessa Dare - Romancing the Duke (Castle Ever After #1)



Ficha técnica: Romancing the Duke
Autora: Tessa Dare
Editora Avon Books
Lançamento original: 28/janeiro/2014
Lançamento BR: ainda não
370 páginas
Gênero: Romance de época
POV: terceira pessoa

Protagonistas: Isolde Ophelia Goodnight "Izzy" e Ransom William Dacre Vane, Duque de Rothbury.
Local/ano: Northumberland/indeterminado

"Como a filha de um famoso autor, Isolde Ophelia Goodnight cresceu entre contos de bravos cavaleiros e donzelas. Ela nunca duvidou que o romance estaria em seu futuro também. Os livros de histórias oferecem infinitas possibilidades.

E à medida que crescia, Izzy cruzou com eles. Um a um...

Patinho feio virou cisne?
Sequestrada por assaltante bonito?
Resgatada de trabalho penoso pelo príncipe encantado?

Não, não, e ... Heh.

Agora Izzy desistiu de ansiar por romance. Ela vai se contentar com um teto sobre sua cabeça. O que contos de fadas podem fazer por uma mulher de 26 anos de idade, pobre, que nunca sequer foi beijada?

Isto..."


Izzy podia estar passando por uma fase negra. Talvez, bem pior do que negra. Sem os pais, sem dinheiro, sem amigos. Mas ninguém poderia acusá-la de não ter esperança. E foi esta quem a fez pegar aquela carruagem e seguir até um castelo em Northumberland, após receber uma carta do Sr. Archer, informando que ela receberia parte da herança de um homem que se considerava seu padrinho, apesar de não sê-lo de fato.

Conde de Lynforth (sim, o mesmo tio de Clio, do livro #2, que deixou um castelo para a sobrinha-afilhada), tinha mania de desejar às suas princesas que parte de seus sonhos devia ser realizado. Com isso, à Izzy ele também deixou um castelo.

Para quem sempre pautou sua vida nos contos de fadas, seria interessante para ela viver este sonho. Ela poderia ver o que tinha de valor na propriedade, vender e conseguir se sustentar. Só havia um problema.
Na verdade esse problema era bem alto, louro, forte, carrancudo, tinha um lobo como cachorro e não queria a companhia de ninguém em SEU castelo: o duque de Rothbury.

Por alguma razão, apesar do duque ainda estar vivo e bem de saúde, alguém vendeu o seu castelo e, agora, ele teria que aguentar aquela garota impertinente mexendo em tudo que era dele.

Ele não gostava de companhia, ele não gostava que nada fosse tirado do lugar, ele não queria uma mulher cheirosa rondando-o todo o tempo, e Izzy só conseguiu descobrir o porquê depois de algum tempo. Ele era cego.

Querendo ou não, Ransom teria que aturar a presença de Izzy por algum tempo em Gostley Castle porque simplesmente ela não tinha um tostão no bolso e nem para onde ir.
Depois de várias discussões, ele chegou à conclusão que de fato alguém de sua suposta confiança estava roubando-o, falsificou documentos autorizando a venda do castelo, como se tivesse sido o próprio duque. Ele teria que descobrir quem era.
Com uma montanha de correspondência se acumulando na mesa do salão, o único jeito era contratar Izzy como sua secretária temporária para juntos descobrirem o esquema.

Claro que essa convivência não seria pacífica. Até que se provasse o contrário, Izzy ERA a dona do castelo e ela queria fazer várias mudanças na aparência do mesmo. O bate-boca era diário. Mas, ao mesmo tempo, eles foram conhecendo mais um sobre o outro...

Ela tinha medo do escuro.
Ele conseguia andar por todo castelo sem esbarrar em absolutamente  nada.
O pai dela era famoso por ter escrito The Goodnight Tales.
A mãe de Ransom morreu uma hora após o parto e o pai o culpou a vida toda.
O pai de Izzy nunca mudou o testamento e o beneficiário acabou sendo o detestável primo dela, que nunca a suportou, e ainda ficou com os royalties dos livros.
Ransom foi abandonado pela noiva, a filha de um conde, dias antes do casamento, quando ela fugiu com o amante.
Apesar de Izzy ser a principal protagonista dos contos de seu pai, a aparência descrita dela era totalmente diferente. 
Ransom dizia que  o cabelo negro de Izzy mais parecia um polvo em fúria.
Izzy descobriu que apesar de cego boa parte do dia, em algumas horas, com a claridade, ele podia distinguir sombras e cores claras e escuras.
A cicatriz enorme no lado esquerdo do rosto dele nunca foi tratada por um médico...

E assim foi, com cada nova informação que os fazia cada vez se aproximarem mais.
Izzy queria encontrar o amor. Ransom não sabia amar e desde seu acidente não se deitava com uma mulher. A presença e o perfume de Izzy o perturbavam e o levavam a desejar coisas que não pensava há eras.

Em meio a tanta briga, a atração foi mais forte, e houve momentos de pura excitação para ambos. E mesmo depois de terem feito amor, Izzy sabia que era apenas uma experiência; jamais Ransom ofereceria a ela algo mais.

Até que descobrem que ele está para ser interditado. Alegavam que ele estava louco e uma equipe médica e advogados iriam visitá-lo em breve. Ele poderia perder o seu ducado e todo seu dinheiro.
Chegou a hora de Izzy mostrar que anos de leitura de contos de fadas poderiam lhe render fiéis escudeiros para salvar-lhe dessa situação...



O emocional e o racional se encontram num duelo de vida ou morte.
Tanto Ransom, quanto Izzy, não tinham para onde ir.
Gostley Castle era a casa ancestral do ducado de Rothbury, mas para Izzy era a chance única de ter um teto sobre sua cabeça.

As cenas de brigas entre os dois são engraçadíssimas; Izzy leva-o ao limite da paciência e além. Aos poucos ela vai mostrando que viver isolado não lhe faria bem, e no final, ao ser analisado por uma junta como um louco, Ransom teve que admitir que o jeito de viver dela era bem mais prático.

Mas o mais belo de tudo, além do romance deles que aflora, é o maior segredo do livro e que torna tudo tão mágico, exatamente como um verdadeiro conto de fadas... (sem spoiler!!)

Os livros de Tessa, além de engraçados, têm uma trama que faz o leitor querer ler tudo de uma vez. O estilo é bem parecido com o de Julia Quinn. Romance, sem ser hot, mas sua pitada de sensualidade é bem forte. Talvez por isso elas sejam tão amigas e, por esses dias, até mesmo estavam fazendo um cruzeiro juntas...



Taí uma autora que poderia ter os livros publicados no Brasil. Poucas pessoas a conhecem, mas ela já ganhou alguns prêmios RITA e RT Book Reviews Reviewer's Choice Awards, e seus livros já foram traduzidos para, pelo menos, 12 idiomas.

5 ESTRELAS!!

*Gravura: contracapa do próprio livro.


Um comentário:

  1. Eu estou doida para conferir este livro! Gostei muito da escrita dela e tenho certeza que este vai me conquistar também.
    Ainda bem que chegou por aqui e agora podemos nos deleitar em português. A capa e a contracapa estão um arraso. Amei! Bjus
    Lia Christo
    www.docesletras.com.br

    ResponderExcluir