sexta-feira, 10 de abril de 2015

Sylvain Reynard - A Transformação de Raven (Noites em Florença #1)



Ficha técnica: A Transformação de Raven (The Raven)
Autor: Sylvain Reynard
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2015
Lançamento BR: 2015
448 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Fantasia; Chick Lit; Mistério; Contemporâneo

Protagonistas: O Príncipe William York e Jane "Raven" Wood
Local/Ano: Florença, Itália/2013 

"Florença, o berço do Renascimento. Um lugar culturalmente fervilhante, perfeito para quem quer esconder segredos ou está em busca de uma segunda chance. Como a doce Raven, que se muda para a cidade na tentativa de esquecer os traumas do passado e se dedicar à sua maior paixão: a restauração de pinturas renascentistas.

Um dia, voltando para casa do trabalho na Galleria degli Uffizi, sua vida muda para sempre. Ao tentar evitar o espancamento de um sem-teto, Raven é atacada. Sua morte parece iminente, mas seus agressores são impedidos e brutalmente assassinados. Assustada e prestes a perder os sentidos, ela só consegue vislumbrar uma figura sombria que sussurra: Cassita vulneratus.

Ao despertar, Raven faz duas descobertas perturbadoras: uma semana se passou desde o ocorrido e ela se transformou por completo. Quando volta ao trabalho, mais uma surpresa: alguém conseguiu burlar o sofisticado sistema de segurança da galeria e roubar a inestimável coleção de ilustrações de Botticelli sobre A divina comédia.

Em busca da verdade, Raven cairá diretamente nos braços do Príncipe de Florença – tão belo quanto poderoso, tão sedutor quanto maligno –, que lhe apresentará um submundo de seres perigosos e vingativos, cujas leis ela precisa aprender depressa se quiser se manter viva e salvar os que a cercam."


Sinopse perfeita com os pontos principais de tudo que você encontrará neste livro.
Caso você não seja amante de livros de fantasia, em especial os sobre vampiros, deixe-me logo te dizer que este aqui é bem diferente dos outros do mesmo tema que rolam por aí.
Sim, o personagem principal é um vampiro, mas a história em si não se perde nisso.

Ao mesmo tempo em que a personagem humana, Raven, acaba sendo salva por um ser das sombras e percebe-se diferente - não porque transformou-se em vampiro, mas por ter sua aparência modificada -, o enfoque do enredo é na vingança que William York quer ter sobre os Emersons - continuação do prequel; a traição de um de seus seguidores - precisando ainda descobrir quem é; e a história de amor que se desenrola.

Vejamos, Raven mora em Florença há algum tempo, mas ela é americana. Ela identificou-se com a cidade e ali vive sua vida longe das lembranças que continuam a assombrar seus sonhos.
Ela trabalha como restauradora de artes na Galeria degli Uffizi. Ela não é bonita, pelo menos não mais. Usa uma grande armação negra como óculos, está com sobrepeso e precisa de um bengala para se locomover desde que sofreu um acidente há 10 anos, fazendo com que uma perna ficasse menor do que a outra.
Ainda assim, sem ter rapidez de locomoção, ela não se acovardou em defender um sem teto excepcional que morava na praça próximo à sua casa. Três homens bêbados importunavam Angelo, e ela, tarde da noite, resolveu intervir. Isso foi péssimo porque eles voltaram a atenção a ela, levaram-na para um beco, bateram em sua cabeça até quase lhe deixar inconsciente e já iam estuprá-la. Mas algo estranho aconteceu. Um único homem conseguiu dar cabo dos três e ele a salvou.

Ela acorda desorientada, em sua própria cama, vestindo uma camisola que não lhe pertencia. Mas mais do que isso, ela tinha se transformado numa pessoa completamente diferente. Sem necessidade de óculos, magra, com olhos e cabelos brilhantes e com as pernas normais. A mudança foi tão drástica que, ao chegar no trabalho, ninguém a reconheceu, precisando tirar suas impressões digitais para permitir sua entrada.
Ela não se lembrava de nada. Nem da noite do ataque, nem de como se transformara naquela bela mulher, muito menos onde estivera durante uma semana inteira. O pior é que naquele mesmo tempo, a Galeria havia sofrido um roubo. As gravuras de Botticelli, emprestadas do casal Emerson, tinham sido roubadas de forma misteriosa, sem tocar o alarme, sem impressões digitais. E sua amnésia fazia com que ela fosse uma das suspeitas.

Um nome lhe vem à mente: William York. Ela havia escutado que ele era um dos benfeitores em inúmeras obras e exposições de arte e ela decidiu que precisava encontrar o dono deste nome. A partir de uma investigação amadora, Raven acaba se deparando com um homem tão lindo quanto poderoso. E por trás dele havia todo um mistério que a colocava no meio de uma guerra repleta de seres considerados míticos.
Raven não queria acreditar - há algum tempo ela havia perdido a fé em Deus -, não queria se envolver, mas ela também não conseguia resistir àquele homem que teimava em lhe oferecer proteção, que a olhava de uma maneira nova e que lhe encantava além de suas forças.

William York, o Príncipe, já tinha uma vida de lutas. Transformado em vampiro há tantos séculos, ele governava Florença com mãos de ferro. Quando algum de seus subordinados mostrava-se incompetente em sua função, ele não pensava duas vezes em punir. Havia um traidor em seu meio e ele tinha que descobrir quem era antes que fosse tarde demais. E agora, depois de tanto tempo sem saber o que era ter um coração pulsando mais forte, ele se via preso à magia de um "pássaro". Ora cotovia, ora corvo (raven, em inglês), Raven mostrava-se a cada dia ser o ponto fraco do ser que não acreditava no amor.
Por ela, ele se arrisca a expor os poderes que nem mesmo os seus subordinados sabem que ele tem; por ela, ele salva outras vidas com sangue vampiro; por ela, ele desiste de uma vingança; por ela, ele pode chegar a desistir de um principado... 



Este livro está bem mais complexo e interessante. Além de ter várias perguntas respondidas, é dado início ao romance que pode mudar o curso da história - sobrenatural - de uma cidade.

A protagonista mostra um lado forte humanístico: a misericórdia. Qualidade que William diz não ter mais, mas se sente profundamente afetado pela coragem dela em defender seu ponto de vista, mesmo quando não tem condições físicas de lutar contra seu oponente.
Ao mesmo tempo, bem lá na frente da história, ela mostra suas vulnerabilidades. Há algum tempo que ela não se sente bem com sua aparência. Numa troca de favores, William acaba tirando dela o segredo de seu acidente. Esse complexo que ela tem quanto à sua aparência às vezes se torna infantil, mas compreensível.
William se mostra um homem não tão bem informado sobre algumas passagens dos séculos já que, por viver há tanto tempo, ele acaba por se isolar das frivolidades do mundo. Mas Raven também resgata isso nele, e, por mais que ambos queiram lutar contra, com todas as improbabilidades, será dificil eles conseguirem se separar.
Mas será que este romance terá futuro em meio à guerra, ao modo tão diverso em enxergar o mundo e à presença de uma vampira que não vai querer perder para uma mera humana a sua escalada para o poder?

O livro não termina em cliffhanger, mas deixa aberta a perspectiva do que vem pela frente.
Capa original.

5 ESTRELAS.

*Livro cedido pela editora, em parceria, em troca de uma resenha de opinião sincera.

Nenhum comentário:

Postar um comentário