segunda-feira, 3 de agosto de 2015

ESQUENTA BIENAL | Jayne Fresina - Madrugadas de Desejo (Sydney Dovedale #2)



Ficha técnica: Madrugadas de Desejo (The Wicked Wedding of Miss Ellie Vyne)
Autora: Jayne Fresina
Editora Única (Grupo Editora Gente)
Lançamento original: 2013
Lançamento BR: agosto/2015
288 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance de época; Chick Lit

Protagonistas: Mariella "Ellie" Vyne e James Julius Hartley
Local/ano: Brighton e Londres, Inglaterra/1822

"Um jogo de mistério e sedução que não terminará a menos que os dois se entreguem. 

A Inglaterra do século XIX é elegante, charmosa e aventureira. Um lugar onde é difícil não se deixar levar pelos deliciosos (e perigosos) jogos que lords e ladies libertinamente experimentam. 
Não poderia ser diferente na bela Brighton, o lar de Ellie Vyne e James Hartley: inimigos declarados desde a infância. 

Ellie sempre foi uma mulher de ideias a frente de seu tempo, temperamento forte, ousada e, principalmente, avessa a todas as tentativas de suas irmãs para lhe arrumarem um marido. Afinal, com 27 anos era um absurdo ainda perambular sozinha por aí. E é claro que James, um dos solteiros mais cobiçados da cidade, fazia questão de deixar clara sua desaprovação. 

Durante suas misteriosas escapadas, Ellie rouba algo muito precioso de James, que não terá paz até descobrir a identidade do ladrão. Querendo ou não, eles estão cada vez mais próximos. Como resistir ao charme de James e levar sua mentira adiante? 

Nesse jogo de perdição, Ellie arriscará tudo, inclusive seu coração. Enquanto James tenta desvendar o segredo da jovem, o desejo proibido que surge entre os dois será capaz de romper com todas as regras da alta sociedade inglesa.






Um baile de máscaras em Brighton. James estava muito bêbado para aguentar o salão abafado e o falatório daquelas pessoas. Sua máscara de salteador de estradas estava lhe sufocando. 
Procurando por um pouco de ar, ele acaba encontrando um banco bem afastado no jardim que seria perfeito para que ele se escondesse  de algumas damas um tanto mais afoitas.
Só havia um problema: o banco já estava ocupado por Maria Antonieta. Bom, eles teriam de dividi-lo.

Ao conversarem, escondidos atrás de suas máscaras, a conversa fluiu muito mais sinceramente. James fica sabendo que a dama estava alí com um objetivo: esperando pelo próximo homem que passasse pelo arco do jardim, que seria escolhido como seu futuro marido. Aquela dama misteriosa com sua gargalhada solta e suas respostas inteligentes, estavam-no deixando mais do que interessado.
Ele propõe que os dois fujam, mas ela faz uma contra-proposta. Após um beijo que o fez sentir-se mais tonto do que estava pela exagerada ingestão de brandy, ela lhe diz: "encontre-me quando estiver sóbrio; pegue-me se puder", e desaparece pelo jardim.
Tonto demais para sequer levantar-se, James Hartley cai de cara no banco e ali mesmo fica.

Seis meses se passam e James não consegue achar a sua Maria Antonieta. Já começava a achar que havia imaginado tal mulher.
Mas agora ele tinha algo mais sério a caçar, o Conde de Bonneville.

Este, conhecido como um notório ladrão e jogador de cartas, havia roubado na noite anterior os diamantes que pertenciam à família Hartley. Estes na ocasião estavam em poder de Lady Ophelia Southwold, um pequeno deslize no julgamento de caráter de James, mas que agora lhe estava custando caro.

Seguindo a trilha do ladrão, James acaba invadindo o quarto de uma pousada e qual sua surpresa ao invés de encontrar o conde, encontrar Ellie Vyne, sua aquiinimiga.

Ellie Vyne fazia parte da família inimiga dos Hartley.
Sua mãe, Catherine, uma náufraga vindo da América, estava grávida quando se casou com o Cap. Vyne, muitos anos mais velho do que ela. Deste casamento, tiveram mais duas filhas, Charlotte e Amelia. Com a morte de Catherine, Ellie desde criança cuidou da família. Criou as irmãs, tratou de arranjar-lhes um dote e um bom casamento. Apesar do padrasto ainda estar vivo, sua pensão como capitão era parca. Agora, que todos estavam arranjados na vida, Ellie passou a ser aquela que embaraçava a família, por ser uma mulher independente e estar solteirona aos 27 anos, apesar de já ter tido vários noivos.

Ao ser pega naquele local e em tais trajes (vestindo apenas uma camisa) por James Hartley, imediatamente este presume que Ellie e o conde eram amantes e que ela estava acobertando-lhe a fuga.
Mas tirar essa conclusão sobre Ellie não seria  primeira vez já que todos na sociedade pensavam que ela havia sido amante do Duque de Ardleigh. Este, velho demais e doente, adorava a atenção da sociedade em achar que ele era viril o suficiente para ter uma amante tão jovem, quando na verdade ela era apenas uma espécie de enfermeira e dama de companhia.

James tinha raiva de Ellie por uma questão familiar, mas também porque ele e ela já haviam protagonizado algo em seu passado que o fez passar por ridículo, por culpa dela. Agora, lá estava ela protegendo um ladrão - apesar de ter as pernas mais lindas que ele já havia visto numa mulher.
Como ela insistia que não diria o paradeiro do conde, o jeito foi ele ficar na cola dela, ir aos bailes que ela ia, persegui-la, intimidá-la, e daí, surgir a primeira proposta: um casamento de conveniência. 
A avó de James estava fechando-lhe o círculo em relação a ele ter idade suficiente, 37 anos, para ter um herdeiro. E James sabia que um casamento para Ellie seria  a resposta a muitos problemas.

Ellie não queria casar, mas queria ser mãe, então, ela faz-lhe uma contra-proposta: eles teriam 5 noites de prazer. Se ela engravidasse, aí sim, ela aceitaria casar-se com ele para que a criança não fosse bastarda. Mas, se por alguma razão ela não engravidasse, cada um seguiria seu caminho.
James era rico, e ele sabia que a situação financeira de Ellie e seu padrasto não era das melhores. Inclusive a casa do padrasto dela, Lark Hollow, estava caindo aos pedaços, mas o velho era teimoso demais para vendê-la. Mesmo assim ela não estava aproveitando a chance para pôr a mão no dinheiro dele.

Enquanto estavam em Sydney Dovedale, o povoado onde a tia Lizzy, de Ellie, morava, onde ela havia tentado ir para fugir de James, lembranças do passado afloram. Ellie lembra-se que James havia sido apaixonado pela melhor amiga dela, Valentine. Esta, por sua vez, que havia preferido casar com um fazendeiro, estava intimamente ligada a uma parte do passado de James que ele pensava ter perdido. E com as cartas sendo postas na mesa; sentimentos sendo descobertos e uma proposta a ser colocada em prática, Ellie e James ainda têm de encarar o aparecimento do "Conde", e tentar salvar a reputação de toda uma família...



Não conhecia o trabalho desta autora, por isso, tão logo a ed. Única anunciou o seu lançamento para o mês de agosto, e com o advento de um evento sobre Romances de Época, minha curiosidade foi aguçada a lê-lo.



Este livro faz parte da série SYDNEY DOVEDALE, com outros 3. E não, você não leu errado no título da postagem, ele é o #2. Não sabemos se a editora pretende lançar os outros, mas de qualquer maneira, pelas leituras que fiz, cada livro se reporta a um casal, portanto, pode ser lido como um stand alone.

Ellie é uma protagonista interessante e inteligente. Mesmo tendo sido colocada com tamanha responsabilidade de cuidar das irmãs menores, ela não se acovardou e encontrou uma maneira inteligente de fazê-lo, graças a ajuda de seu tio Graedon. Durante a maior parte de sua vida ela carregou a família nas costas, e agora, suas irmãs e seu padrasto a consideravam um eterno embaraço. Noiva várias vezes, nenhum de seus pretendentes encheu-lhe os olhos a correr para casar, mesmo vendo que um casamento seria vantajoso. Na verdade, um de seus noivos, aquele que havia lhe tirado a virgindade para uma semana depois dizer-lhe que se casaria com outra, o fez exatamente ao descobrir que a situação financeira da família dela não era das melhores, isso significando que Ellie não tinha um dote. Por isso que para as irmãs, ela não deixou que esse fator atrapalhasse.

Agora, ela estava envolvida até o pescoço com um inimigo de família, James Hartley.Ele queria ter os diamantes da família de volta e sabia que Ellie tinha conexão com o tal conde ladrão.

A história de vida de Ellie e James havia se cruzado quando ela ainda era uma garotinha e havia caído à tentação de aprontar-lhe algo que o fez ser ridicularizado na cidade. Mas ela teve seus motivos...
Com suas irmãs casadas, Ellie havia cumprido a promessa que fizera à mãe em seu leito de morte. Para ela só restava recolher-se ao campo e ir morar com a tia Lizzy. O que ela ainda não sabe é que, para além do desafio proposto, James havia descoberto que ela era sua Maria Antonieta e que dessa vez ela não poderia escapar-lhe.

É em Sydney Dovedale que alguns segredos vêm à tona. É lá que o conde aparece. E é lá que Ellie terá de tomar a decisão mais importante de sua vida...

Muitas cenas engraçadas, muito bate-boca, romance e vontade de conhecer o restante da série. Será que rola?

5 ESTRELAS.

Sobre a autora 



Faltam 31 dias para a Bienal/RJ


*Gravura de Jon Paul Ferrara: www.jonpaulstudios.com

Um comentário:

  1. Oi Vânia, tudo bem?

    Eu amei a premissa da história e o romance que estará envolvido.. adorei ler a sua resenha empolgante e cheia de atrativos para uma leitura fluida. Curti muito de verdade todo o enredo, em breve irei comprar o meu exemplar.

    Beijos,Lu
    Blog: Apaixonada por Romances

    ResponderExcluir