quarta-feira, 21 de outubro de 2015

[Maratona Rom Hist] Mary Balogh - Ligeiramente Escandalosos (Bedwyn #3)



Ficha técnica: Ligeiramente Escandalosos (Slightly Scandalous)
Autora: Mary Balogh
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2003
Lançamento BR: setembro/2015
288 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance de época; Chick Lit

Protagonistas: Lady Freyja Bedwyn e Joshua Moore, Marquês de Hallmere
Local/ano: Bath; Leicestershire, Hampshire, Cornualha, Inglaterra/ cerca de 1815

"Freyja Bedwyn é uma mulher diferente das outras damas da alta sociedade: impetuosa e decidida, ela preza a independência e a liberdade acima de qualquer coisa – até mesmo do amor.
Até que o destino lhe apresenta Joshua Moore, o marquês de Hallmare, um homem cheio de charme e mistério, dono de uma beleza estonteante e de uma reputação terrível. Quando ambos se encontram a caminho da pacata cidade de Bath, a química entre os dois é imediata.

Entre encontros e desencontros, conflitos e provocações, Joshua faz uma proposta inusitada: pede que Freyja finja ser sua noiva, para evitar que uma artimanha de sua tia o leve a se casar com a própria prima.
Para uma dupla que acha graça das convenções sociais, esta parece ser a oportunidade perfeita para se divertir. Mas a brincadeira acaba trazendo consequências inesperadas. Aos poucos, suas máscaras vão caindo e ambos se revelam pessoas bem diferentes do que aparentam."


"É verdade universalmente conhecida que..." famílias vizinhas, com títulos, costumam fazer arranjos matrimoniais entre os filhos delas.
Mas isto aqui não é um livro de Jane Austen. E a vida de Freya Bedwyn nunca foi fácil.

A começar que Freyja nunca foi uma menina fácil. Inteligente e inquieta desde muito nova, ela colocou muita preceptora para correr, fazendo com que seu irmão Wulfric, o duque, tivesse que arrumar uma nova colocação para as pobres coitadas que saíam de lá aos frangalhos.
A não ser a Srta Martin, que após avisar de sua saída, orgulhosamente deixou Lindsey Hall, sem olhar para trás e sem aceitar a "caridade" do duque.

Anos mais tarde, Wulfric e o conde de Redfield, vizinho deles de Alvesley Park, sugeriram que Freyja se casasse com Kit Butler, o caçula da família, ele sendo o visconde de Ravensberg. Mas acontece que ela estava praticamente noiva do filho mais velho, Jerome. Kit, que na ocasião estava no exército e havia ido para casa numa licença do regimento, ficou furioso quando ela preferiu manter a palavra com o mais velho, apesar de mostrar ter sentimentos pelo caçula. Kit foi embora e nesse ínterim, Jerome faleceu.
Agora, Kit era o herdeiro e o casamento com Freyja não só era possível, como desejável. Mas ninguém contava que Kit voltaria para casa com uma noiva a tiracolo. Lady Lauren Edgeworth. Linda e insossa.

A princípio Freyja achou que Kit estava apenas de pirraça, querendo lhe dar uma lição, mas quando ele levou o casamento adiante, e agora sua esposa estava grávida do primeiro filho, Freyja faria de tudo para não estar presente nesse momento de felicidade do casal... e de humilhação para ela.

Exatamente por isso, agora, ela se encaminhava para a tediosa Bath, onde ficaria na casa de Lady Holt-Barron e sua filha Charlotte por 1 ou 2 meses.

Se ela já estava de mau humor por isso, imagine saber que no caminho não havia uma estalagem decente, à altura da irmã de um duque, e teria que dormir em uma de segunda categoria, que sequer tinha tranca na porta.
E por não ter tranca na porta, e ela ter colocado a sua dama de companhia para correr porque não precisava de babá, que seu quarto acaba virando um grande picadeiro, um entra e sai de homens, fugindo ou procurando. Mas para encerrar a noite complicada com chave de ouro, ela recebeu um beijo - de língua!! - de um desconhecido.
É claro que depois disso ela o premiou com um soco no nariz, mas a aventura estava apenas no início.

Em Bath mais surpresas. O seu desconhecido beijoqueiro estava prestes a agarrar uma criada e beijá-la. E em defesa desta, Freyja lhe dá mais um soco.
No Pump Room, local em Bath onde as pessoas vão para verem e serem vistas, pela manhã, Freyja, que até então não sabia quem era o desconhecido, o reconhece de braço dado com uma senhora. Sem pensar duas vezes, ela vai até ele e cria uma comoção ao chamá-lo de "marquês dos infernos" e "corrompedor de jovens inocentes".

Bath nunca mais seria a mesma...

Devidas apresentações feitas, a má impressão teria de ser dissipada. 

Na verdade o tal marquês dos infernos era Joshua Moore, marquês de Hallmere há pouco tempo. Herdara o título no lugar de um primo.
Tudo que agora lhe pertencia, especialmente a casa principal na Cornualha, Penhallow, não eram bens que ele tivesse qualquer desejo em obtê-los.
Os anos vividos naquela casa foram tenebrosos. Josh nunca se sentiu bem-vindo. Assim que fez 18 anos saiu de casa, indo morar numa vila próxima, onde aprendeu o ofício de carpinteiro. Cinco anos depois lá estava ele como o novo marquês. Contratou o Sr. Jim Saunders para administrar o local, e foi curtir a vida.
Sua avó costumava ficar em Bath e ele a amava muito, por isso decidiu ficar com ela por uma semana. Mas após conhecer Freyja, e gostar de atormentá-la, esse tempo foi estendido.

Mas o pior foi a chegada de sua tia, a marquesa-viúva, com a filha mais velha, Constance. Sua tia tinha planos de forçar Josh a casar-se com a prima para que ela não perdesse os poderes sobre Penhallow. Mas Josh foi alertado pela prima e num momento de trégua entre ele e Freyja, ele decide propor algo inusitado a ela: um noivado de mentira, até que sua tia fosse embora.

O noivado foi anunciado; sua tia não foi embora; Wulfric ficou sabendo e apareceu em Bath, e... a confusão estava armada.
Só restava aos dois levar a farsa adiante até o melhor momento de fingirem uma briga e romperem o compromisso, mas enquanto isso não acontecia, eles iam convivendo, aprendendo a se conhecer, trocando confidências, beijos e, de repente, o que era um jogo, poderia se tornar numa forca... Fosse esta pelo casamento, ou pelas mãos da justiça.



Freyja tinha espírito, mas não beleza, e ela sabia disso. De todos os Bedwyns, apenas Morgan herdou o nariz da mãe. Mas no primeiro encontro de Josh com Freyja, mesmo vendo que não era bonita, havia algo nela, um ardor, uma paixão - e um bom gancho de direita - que a fazia perfeita.
Quando se reencontraram em Bath, e depois de ter passado todo o mal-entendido, as conversas deles eram animadas. Ela não era uma dama delicada que mal podia cavalgar. Sua vida era regada a aventura e uma dose de selvageria, e isso o fascinava.
Depois que entraram na confusão do noivado - e nem por um momento pense que Wulfric se deixou enganar por muito tempo -, em várias ocasiões Josh se pega perguntando por que mesmo eles estavam apenas fingindo quando poderiam estar vivendo um noivado real.

Freyja, por sua vez, estava sempre vencendo seus medos, fosse qual fosse, mas o medo de amar e não ser correspondida era um que ainda amargava como fel em sua boca depois da desfeita que Kit lhe fizera ao esfregar-lhe na cara a nova noiva.

Mas nada como conviver com a pessoa para conhecê-la; ver sua dinâmica familiar (coisa que Josh não sabia o que era porque não tivera); ver como se comportava quando jogava/brincava; ver sua empatia.
Josh tem sua vida e título ameaçados quando a tia vê que não iria conseguir fazê-lo casar com Constance, mas ele não estaria sozinho, porque agora o clã Bedwyn estaria a seu lado defendendo-o e mostrando a força do que o amor é capaz.

A narrativa de Mary Balogh é sempre primorosa.
Personagens, ritmo, enredo, tudo na medida certa. E até mesmo a história dos personagens secundários encantam o leitor.
LIGEIRAMENTE SEDUZIDOS é o próximo da série, com capa revelada na contracapa deste, e lançamento para 2016.

5 ESTRELAS.

*Gravura>> Jon Paul Ferrara>>www.jonpaulstudios.com

**Livro cedido pela editora, em parceria, em troca de uma resenha de opinião honesta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário