quarta-feira, 28 de outubro de 2015

Sophie Jackson - Desejo Proibido (livro #1)



Ficha técnica: Desejo Proibido (A Pound of Flesh)
Autora: Sophie Jackson
Editora Arqueiro
Lançamento original: junho/2015
Lançamento BR: outubro/2015
416 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance contemporâneo, Chick Lit, Drama

Protagonistas: Katherine Lane e Wesley James Carter
Local/ano: Soho, Westhampton,NY; Chicago; Washington/atual

"Katherine Lane nasceu em berço de ouro. Filha e neta de senadores, a bela ruiva de olhos verdes e curvas perfeitas se formou em Literatura e surpreendeu a todos ao decidir dar aulas em uma penitenciária. Mas quando Carter, um detento inteligente e perigosamente sexy, desperta ao mesmo tempo a raiva e o desejo de Kat, ela é forçada a admitir para si mesma que a decisão de lhe dar aulas particulares pode ter sido motivada não pela generosidade, mas sim pela crescente atração entre os dois. 
Embora a família e os amigos de Kat temam que a paixão destrua sua carreira e sua vida, tudo o que ela quer é ficar com esse homem que a faz sentir-se completa. Porém Carter guarda um segredo que tanto pode unir seus destinos para sempre quanto afastá-los de uma vez por todas."



Há 16 anos, Kat Lane, quando era apenas uma menina, e seu pai, foram vítimas de um assalto. Viciados não perdoaram e mataram seu pai. Ela nada pôde fazer e só foi salva porque alguém a puxou para longe daquela confusão.
Ao ser encontrada adormecida a alguns metros longe de onde tudo aconteceu e acordar nos braços de um policial, ela sabia que seu pai não mais a colocaria para dormir como fazia todas as noites.
A pessoa que lhe salvou nunca foi encontrada; os familiares e policiais passaram a achar que tudo fora imaginação dela por causa do choque.
A mãe de Kat, Eva Lane, sofreu durante muito tempo e seu relacionamento com a filha acabou sendo prejudicado. Foi a avó de Kat que não deixou com que a menina enlouquecesse com a saudade e o remorso.
Agora, adulta, Kat, lembrando-se dos ensinamentos de seu pai sobre a importância de todo mundo fazer a diferença, resolveu trabalhar como professora numa penitenciária.
Sua mãe, temendo pela segurança da filha, não aceita, e elas brigam mais ainda. Mas Kat está irredutível.

Formada em Literatura, era isso que ela ensinaria aos detentos.
Alguns deles participavam da aula - que não era imposta - porque isso contaria pontos para o pedido deles de liberdade condicional.
E é assim que Kat entra em contato com o detento n° 081056.

Carter era o bad boy, detento temido em Arthur Kill. Sua ficha contava com arrombamento de carro, porte de arma, posse de drogas, conduta desordeira e embriaguez. Tinha 1,90m, olhos azuis bebê e 27 anos. Não havia estudado numa universidade, mas era uma draga no que dizia respeito à leitura - lia tudo que caía em suas mãos e tinha ótima memória.
Mas assim como poderia ter usado suas qualidade para o bem, ele foi para o caminho errado. 
Estava prestes a entrar com pedido de liberdade condicional e sua experiência na aula de Filosofia acabou com ele jogando uma cadeira contra a parede porque não gostou de algo que o professor disse, e preso na solitária por 24h. Suas chances estavam acabando, segundo Jack Parker, seu conselheiro. Ele teria mais uma chance e seria bom que a segurasse bem. Ele participaria das aulas de Literatura.

Kat tinha uma assistente, Rachel, e não muitos alunos.
A primeira impressão entre Kat e Carter não foi nada boa, e piorou quando na segunda aula, ele atacou outro aluno. Mas por alguma razão, provavelmente ainda as palavras de seu pai, Kat decide ajudá-lo.
Já que Carter tinha um certo problema de socialização - e até mesmo fazia um tratamento para controle da raiva -, ela se oferece a dar aulas particulares a ele.
Depois de Kat passar pela sabatina em convencer o diretor do presídio a aceitar a ideia - e foi preciso uma certa persuasão, usando o nome de sua família de políticos -, ela vai falar com o próprio Carter.

Longe de aceitar a ajuda, ele age como um boçal e ela desiste de ajudá-lo, mas logo ele volta atrás e aceita. Ao firmarem o acordo e os nomes serem citados, Carter cai em si sobre a ironia do destino. Dezesseis anos depois, a sua Pêssegos voltou à sua vida...

As aulas privadas começam. Kat nota o quão inteligente Carter era e as muitas obras que ele já havia lido. O pedido de condicional é feito. Um relatório positivo sobre o progresso dele feito por Kat ajuda-o. Carter sai da cadeia. E é aí que as surpresas começam...

Carter não era exatamente o tipo de pessoa que a mãe de Kat pensaria ser.
Sua vida pregressa, sua criação, por que ele tornou-se esse mau elemento, começam a vir à tona.
Além disso, havia o real motivo de ele ter ido para a prisão, uma dívida de honra com um amigo.

O relacionamento dele com Kat continua porque as aulas dão continuidade fora da prisão, numa sala na biblioteca pública.
O sentimento deles cresce. Kat tem mais liberdade em demonstrar o que sente e dizê-lo. O passado de Carter lhe ensinou a manter-se distante de todos, mas ele verdadeiramente sente algo mais forte por ela. A vida deles estava entrelaçada.
Terem o apoio - ou a ojeriza - das pessoas à sua volta poderia ser um divisor de águas.
Mas conseguindo ou não expressar seus sentimentos, Carter tinha certeza que não perderia Kat de vista novamente. Ele precisava dar um jeito em sua vida, retomar o que lhe era devido e tentar, pela primeira vez, encontrar a felicidade.

Fonte: Blog TotallyBooked


E cá estamos nós com uma história cheia de reviravoltas e drama.
Nada que faça você se descabelar de chorar, mas definitivamente algo que mostra como uma família pode ser algo para o bem, ou para o mal.

Katherine perdeu o pai muito cedo, ainda menina, mas ela foi amada; teve a oportunidade de estudar e colocar em prática o que havia ouvido de seu pai naquele último dia da vida dele. Algo que a marcou profundamente e a fez tomar a decisão que colocou mãe e filha ainda mais distantes.

Carter teve uma família um tanto incomum.
Aqui, pouco vou falar para não dar spoilers, porque os acontecimentos que o transformaram em quem ele era também foram muitos.

Os muitos personagens secundários dão o tom à narrativa. Tanto das duas famílias, quanto os bad guys.

Muito romance, surpresas e um final bom, sem cliffhanger.
Entretanto, é uma série, e este final é o que agora chamamos de HFN (Happy For Now - Felizes por enquanto).
Ritmo muito bom; narrativa que prende desde a primeira página.

Agora é esperar que a editora traga os próximos volumes da série.
E prepare-se para ficar viciada em Oreo (biscoito). Aos chocólatras de plantão, um prato cheio.



5 ESTRELAS

Sobre a autora



*Livro cedido pela editora, em parceria, em troca de uma resenha de opinião honesta

Nenhum comentário:

Postar um comentário