terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Kindle Alexander - Full Domain (Nice Guys #3)



Ficha técnica: Full Domain
Autora: Kindle Alexander
Editora self
Lançamento original: 12/janeiro/2016  LANÇAMENTO
Lançamento BR: ainda não
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance contemporâneo; Homoafetivo; Suspense

Protagonistas: Kreed Sinacola e Aaron Stuart
Local/ano: Atlanta, GA; Dallas, TX; Midlothian, TX; Washington, DC; Kauai, Hawaii/atual

"Honra, integridade e lealdade são como o Delegado da US Marshal, Kreed Sinacola, vive sua vida. Um ex-SEAL agora empregado pelo Grupo de Operações Especiais do Serviço de US Marshal, Kreed passou a maior parte de sua vida trabalhando em operações secretas e evitando relacionamentos. Nunca misturando negócios com prazer, seus limites e suas convicções são postos à prova quando ele finalmente fica cara-a-cara com o sexy geek dos computadores em que foi colocado como parceiro. Determinado a fechar o processo em curso para o seu amigo de longa data, ele empurra seu passado além do próprios limites e revela mais do que espera.

Aaron Stuart esforça-se por uma coisa: justiça. Jovem e cheio de idealismo, sua busca por conhecimento de informática coloca-lhe numa boa posição na Agência de Segurança Nacional. O maior risco de Aaron em seu trabalho é ter cãimbras nos dedos, mas tudo isso muda quando ele é arrastado para o meio de uma investigação federal perigosa. Aaron recebe mais do que ele esperava quando é posto como parceiro de um bonito e tentador delegado. Sua atração pelo tatuado homem de cabelos escuros fornece outro tipo de ameaça por completo. Aaron tenta desesperadamente colocar um muro de proteção em torno de seu coração e luta contra seus sentimentos em desenvolvimento, sabendo que um passo em falso de sua parte poderia finalmente destruí-lo.

A solução não é tão fácil como resolver o caso, que é traiçoeiro o suficiente. Mas a crescente atração sexual entre eles ameaça destruir mais do que apenas convicções pessoais de Kreed, quando ele aprende rapidamente que a tentação e assuntos do coração raramente se encaixam facilmente nas regras em que ele viveu. 
Seria Kreed capaz de convencer Aaron a abrir seu coração e encarar o fato de que às vezes as respostas não estão escondidas no código?


Continuação de FULL DISCLOSURE >> resenha

Ser um "cara legal" (nice guy). Definitivamente Aaron iria deixar de sê-lo. Por causa disso, ele estava preso num aeroporto lotado, fechado por conta de uma nevasca, em plena época de natal.
Por ter sido fundamental em parte do caso envolvendo os homofóbicos, ajudando o seu amigo de jogos online o Delegado Mitch Knox, Aaron estava envolvido até o pescoço com a NSA (Agência de Segurança Nacional). E por conta de ter sido pego hackeando o site do governo, em sua época de faculdade, a participação dele nos casos sempre tinha algumas ressalvas, afinal, ele tinha "ficha suja".
Mas com o caso ficando cada vez mais complicado, o FBI decidiu que seria melhor se ele trabalhasse com seu novo parceiro "in loco", e não mais à distância, de sua casa na Flórida. Por isso, lá estava ele, preso em Atlanta, dirigindo-se ao Hotel Drake para passar a noite e pegar o voo no dia seguinte para DC.

Desde que Mitch tornara-se um alvo para os atacantes, ele ficaria de lado, deixando que seu parceiro, Kreed Sinacola, cuidasse do caso no fronte.

Ao chegar no aeroporto de Dulles, Washington, e ser pego por Kreed, as faíscas se soltam. As boas e as ruins.
Kreed já havia visto Aaron pelo skype de Mitch, mas agora o hacker de 29 anos parecia diferente. Isso porque Aaron gostava de mudar. Na primeira vez, o cabelo dele estava escuro, mas agora estava um louro branco, com as pontas cheias de luzes coloridas; usava um óculos de armação escura e grossa (sem grau); o físico não era tão avantajado quanto o de Kreed, mas mostrava ser bem cuidado.
Aaron era um gênio do computador. Para todo lugar que fosse, sua máquina ia com ele e a partir dela ele podia fazer mágica.

Kreed é direto. Gosta do que vê e fala "na lata". Isso enquanto "oficialmente" não eram designados parceiros, porque depois disso, nada de emvolvimentos; foco total no trabalho. Bom... Isso até a página 2 da vida...

Graças às pesquisas na internet de Aaron, o FBI estava sabendo que um dos membros da igreja Redemption Apostle Tabernacle, Langley, estava seriamente envolvido nos casos homofóbicos. Essa igreja era bem conhecida por seu discurso homofóbico. Mas acontece que Langley estava morto e o FBI precisava de mais provas antes de fazer seu ataque final.
A ideia era Aaron entrar lá como candidato a uma vaga de TI e colocar escutas e videos nos computadores, para que pudessem monitorar a organização.

Aaron era o homem certo para o trabalho; Entretanto, como Kreed dizia, ele era "verde"; nunca havia participado de um trabalho em campo, quanto mais disfarçado. Isso daria o dobro do trabalho em mantê-lo em segurança.

E ainda havia o fator de que Kreed estava terrivelmente interessado no cara, e não ia querer vê-lo em perigo, perto de terroristas homofóbicos do tipo mais perigoso.

Mitch é enviado a Dallas com a desculpa de ver a segurança de Jace, Colt e Coby.
Kreed e Aaron estariam a uma hora de distância dele, em Midlothian, uma cidade que se orgulhava em manter-se pequena.
Aaron seria Josiah Smith, formado em Ciência da Computação pela Universidade New Found Faith, vindo de família extremamente religiosa.
Obviamente ele já havia preparado todo o terreno antes do dia de sua suposta entrevista na igreja, para garantir sua contratação. O que de fato deu certo.
A partir daí, o FBI tinha acesso a seus terminais.
Mas os membros da igreja, em especial aqueles envolvidos nos sequestros, eram cautelosos. Por isso, havia a necessidade de "cutucar a cobra", e uma entrevista na TV, de Colt Michaels, causa o alvoroço necessário. A célula terrorista estava de novo na ativa e o FBI poderia fazer o seu papel.

Ao longo de todo esse processo, entre planejamentos, preparação de Aaron para o papel (um rapaz de família religiosa não poderia ter o cabelo naquele estado, mesmo que Kreed achasse sexy pra caramba!) e a entrevista em si, era época de ano novo, feriado.

Kreed e Aaron haviam sido convidados para passar a noite na casa de Jace e Colt, junto com várias pessoas da empresa de Jace, e Mitch e Cody. O clima esquenta entre os dois. Contagem regressiva de ano novo, e Kreed não resiste. O problema era que eles já estavam em missão, e pelo código de conduta de Kreed, Aaron era material proibido.
Aaron, por sua vez, sentia a mesma energia, mas ele tinha algo muito mais sério escondido; algo que poderia colocar o trabalho de Kreed em perigo e faria com que toda sua ideologia de vida fosse jogada à sarjeta. Por mais que sentissem atração um pelo outro, não poderiam ficar juntos. Mas entre o que diz a razão e o coração, ambos descobrem que pode haver uma bela negociação...

Fonte: Pinterest


Fonte: UK.Pinterest


Fonte: hellmouthbookblogreviews.com



Graças ao trabalho de Aaron, foi descoberto envolvimento do agente Langley no sequestro do filho do senador, e a partir daí, outros membros da mesma igreja.
Um dos envolvidos, um diácono, havia sido militar anos atrás, especialista em bombas, e tudo levava a crer que ele era o principal articulador em cada um dos sequestros. Agora, eles precisavam de provas.

Langley foi preso e confessou parte do crime, mas insistia em dizer que trabalhava sozinho.
Verificando as filmagens externas do dia do enterro de Derek Sinacola, Aaron descobre outro dos envolvidos. Por isso, sua presença no prédio FBI acabou sendo inegociável. Aaron não queria isso; queria continuar trabalhando de longe, mas, de certa forma, ele devia isso a Mitch Knox.

Trabalhar com o Delegado US Marshal Kreed Sinacola também não seria nada fácil. O homem era muito competente, mas também másculo demais, autoconfiante em seu poder de conquista demais e mostrou claramente que estava interessado em Aaron.

Mas além de todo o caso que precisavam resolver e o mais rápido possível, havia algo na vida de Aaron que ele preferia manter escondido. Kreed sentia que o hacker escondia algo além do que estava na ficha do FBI, mas ele sabia que Aaron iria compartilhar com ele quando se sentisse preparado.
O próprio Kreed tinha uma fase de sua vida que era mantida às escuras, mas com a conivência do governo. O seu trabalho como espião tinha lhe rendido horas de horror e lembranças que ele preferia esquecer, por isso, ele não se sentia no direito de cobrar nada de Aaron.

Mas apesar da luta em manterem-se afastados, a química foi mais forte. O famoso "quero-mas-não-devo" prevalece. Kreed torna-se superprotetor de Aaron, mas este não fica atrás quando hackeia na internet a verdadeira razão da morte de Derek, e aí, as máscaras caem. O perigo ronda suas vidas e talvez, só talvez, já seja tarde demais...

 Fonte: redhotromancereviews.wordpress.com


Último livro da série Nice Guys, e Kindle Alexander acerta a mão mais uma vez.
A impressão que dá ao terminar a leitura é que parte do problema foi brilhantemente resolvido, mas sabemos que esse problema - homofobia - está longe de ser solucionado.
O desfecho dado aos personagens é perfeito, assim como o ritmo da narrativa.

O grande segredo de Aaron, revelado no final, é "quente". Fiquei desconfiada bem antes da revelação e não me decepcionei, mas há uma surpresa enorme linkada a algo dito logo no início do livro, que passa "batido" pelo leitor. AMAZING!!!

Ah! E também há o aparecimento de personagens de um outro livro dela. AMADOREI!!!

Sinceramente, eu não saberia dizer, dos 3 livros da série, qual eu gostei mais; acho que um foi o exato complemento do outro.

Nem preciso dizer que as capas...yummy, yummy!!

Sem cliffhanger.

Recomendação: Para todos aqueles que curtem literatura homoafetiva. Sai do lugar comum sempre.
Reação: todas as emoções. Você gargalha em certas cenas; fica tensa em outras e ansiosa pelo desfecho de algumas.

Outros livros da autora resenhados:


ALWAYS  (ainda meu preferido)


Para adquirir:



Nenhum comentário:

Postar um comentário