sexta-feira, 11 de março de 2016

Katie McGarry - Walk the Edge (Thunder Road #2)



Ficha técnica: Walk the Edge
Autora: Katie McGarry
Editora Harlequin Teen
Lançamento original: 29/março/2016  PRÉ-LANÇAMENTO
Lançamento BR: ainda não
384 páginas
POV: primeira pessoa - Razor e Breanna
Gênero: Romance contemporâneo; Young-adult; drama

Protagonistas: Breanna Miller; Thomas Turner "Razor"
Local/ano: Snowflakes, Kentucky/atual

"Um momento de imprudência pode mudar seus mundos.

Inteligente. Responsável. Esse é o papel de Breanna, de 17 anos, na sua grande família, e Deus a ajude se ela colocar um dedo do pé fora da linha. Até que numa noite de comportamento chocante, Breanna se coloca na mira de um valentão que a ameaça e traz Thomas "Razor" Turner em sua vida.

Razor vive para o Reino do Terror, clube de motocicleta, e  boas meninas como Breanna não fazem parte da vida dele. Mas quando ele descobre que ela está sendo chantageada com uma imagem comprometedora deles dois, uma imagem que transforma um momento inesperado e belo em feiúra, ele sabe que é hora de jogar fora das regras.

E assim, eles fazem um pacto: ele vai ajudá-la a encontrar seu chantagista, e em troca ela vai ajudá-lo a procurar respostas para o mistério que é o assombrava -  nem mesmo seus irmãos do clube estão dispostos a discutir. Mas quanto mais tempo eles passam juntos, mais os seus sentimentos crescem. E, de repente, os dois estão caminhando à beira de descobrir quem realmente são, o que querem, e onde eles vão a partir dali."


O rapaz que todo mundo vê mas ninguém conhece com a garota que todo mundo conhece mas ninguém vê.


Breanna vinha de uma família numerosa. Ela era exatamente a filha do meio entre nove filhos. Os quatro maiores já tinham terminado o Ensino Médio. Ela era a próxima da lista. E havia os quatro menores que ela tomava conta enquanto os pais trabalhavam.
O pai trabalhava na fábrica de tinta da cidade e estavam com sérios problemas que poderiam levar os empregados ao desemprego. Assim, ele estava sob pressão num novo projeto. A mãe trabalhava no hospital e tinha plantões em horários ruins.

Bre era uma filha quieta; na verdade quieta demais, desde a 7ª série.
E era uma estudante brilhante. Ela tinha um dom: a mente fotográfica, mas ela não gostava de admitir isso porque não era boa com números, apenas com informações aleatórias. Tudo que ela lia ficava grudado em sua mente.
Com isso, ela não achava que sua atual escola era desafiante o suficiente. Conseguira uma bolsa numa escola particular em outra cidade, de 70%, e até mesmo um trabalho de meio período num café. Os pais dela não aceitaram que ela fosse porque não teriam com quem deixar as crianças.
Sem carro para a família toda, ela dependia da carona dos pais ou dos irmãos, e foi num dia assim, esperando a carona que nunca chegava, que ela se viu sozinha na companhia de Razor, o badboy da escola.

Razor, como Thomas preferia ser chamado, fazia parte do MC Reign of Terror, e como tal, muitos alunos da escola evitavam ficar perto dele. Ele era toda a representação do que Bre ouvira a vida toda a evitar.
Mas no dia em que ela esperava a carona, ele se aproxima para saber se ela estava bem. Com medo, achando que ele ia assaltá-la, ela corre a dizer que tinha apenas 20 dólares. Para quebrar o clima, ele pergunta se ela quer contratá-lo como guarda-costas. Ali começava a amizade.

Razor era bonito. Tatuado, louro, olhos azuis claros gelo, 18 anos.
Ele também tinha uma cabeça boa para os estudos, e diferente de Breanna, ele era melhor com os números.

Após ajudá-la numa confusão numa danceteria, ele pede a ajuda dela a resolver um problema. Um código que ele havia pego num relatório de um policial que o visitara.

A mãe de Razor, Layla, havia morrido uns anos antes. Uns diziam ter sido um acidente. A cidade cochichava que tinha sido suicídio. Mas o policial tinha provas de que ela tinha sido assassinada. E como o Clube não dizia a versão real a Razor, ele queria descobrir por si só.

Isso trouxe mais animosidade entre ele e os membros do Clube, especialmente com seu pai, o Mestre de Armas do Clube.
Com o pai, Razor já tinha outro problema a resolver: o fato do pai ter feito a promessa de não macular a imagem da mãe em casa, trazendo outras mulheres, mas essa promessa foi logo quebrada.
E agora, Razor se via em meio a descobrir a verdade sobre a morte de sua mãe, as aulas extras de uma turma avançada, ajudar Breanna num caso de chantagem e seus sentimentos por ela que cresciam a cada dia.



Dois jovens cujas famílias viviam conflitos.
Enquanto a família real de Thomas/Razor se limitava a seu pai, cujo relacionamento afundava a cada dia por conta do mistério que rondava a morte de sua mãe, Breanna tinha a casa cheia mas vivia cada dia mais sozinha.

Ela cuidava dos irmãos mais novos que costumavam brincar de "vamos-ignorar-a-existência-de-Breanna", enquanto seus irmãos mais velhos também a ignoravam mas por causa de Clara.

Clara era uma das irmãs de Bre e que também possuía o mesmo dom de mente fotográfica. Mas o dom de Clara era ainda melhor, só que ela não conseguia "silenciar" sua mente, manter o foco. As informações vinham aos borbotões e ela acabava se passando por alguém com grande dificuldade de aprendizado, quando acontecia exatamente o contrário. Mas com isso, seus pais costumavam compará-la a Bre, e isso criou a ruptura entre as irmãs. Quando um certo acontecimento quando Bre estava na 7ª série a obrigou a mudar, a se tornar invisível.

Agora, no último ano do Ensino Médio, contando os dias para ir para a faculdade, para outra cidade, para longe de sua família, Breanna queria viver um pouco, se tornar "normal", e essa normalidade a faz ficar perto de Razor.

A garota certinha com o rapaz mau elemento. Uma dupla improvável. Uma dupla proibida e, por isso mesmo, uma dupla tentadora.

Eles se unem para se ajudarem e a amizade se torna algo a mais.
Bre sofria com a perseguição da irmã e a chantagem de um certo colega de escola que queria que ela fizesse um trabalho para ele ou ele a transformaria na vagabunda do momento, postando fotos comprometedoras dela num certo site. Razor precisava de alguém bom em quebrar códigos para descobrir uma mensagem criptografada e, desse modo, saber a verdade sobre a morte da mãe.

E eles tiveram tardes de conversas, beijos roubados, local secreto e segredos revelados.
Quando tudo vem à tona, haveria algo ainda maior a ser resolvido.
Quem seria o próximo alvo?

Ritmo ótimo. Personagens na maioria já apresentados no livro anterior. Sem cliffhanger.

Reação: gostei mais desse livro do que do 1°, mas um complementa o outro. Melhor ler na ordem.
Recomendação: +14 anos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário