sexta-feira, 18 de março de 2016

Mila Gray - Volta Para Mim (Volta Para Mim #1)




Ficha técnica: Volta Para Mim (Come Back to Me)
Autora: Mila Gray
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2014
Lançamento BR: 2016
272 páginas
POV: primeira pessoa - Jenna e Kit
Gênero: Romance Contemporâneo; Chick Lit; Drama

Protagonistas: Jenna Kingsley; Riley Kingsley; Kit Ryan; Bernadette "Didi" Monroe
Local/ano: California; Afeganistão/atual (5 anos à frente)

"Kit Ryan está de volta à sua amada Califórnia, de folga do serviço militar. Conquistador inveterado, ele só quer aproveitar as quatro semanas livres antes de retornar ao trabalho, mas se vê atraído pela irmã de Riley, seu melhor amigo. Há tempos Jessa Kingsley chama sua atenção, porém a família superprotetora dela sempre foi um obstáculo.

Desta vez, contudo, Kit desiste de lutar contra os próprios sentimentos e logo Jessa se rende ao seu charme. O que começa apenas como um romance de verão rapidamente se torna um relacionamento apaixonado.

Quando chega a hora de Kit voltar ao serviço com Riley, nem ele nem Jessa estão prontos para se despedir. Ela enfim está seguindo os seus sonhos e ele descobriu alguém por quem sacrificaria tudo. Jessa promete esperá-lo e Kit garante que voltará para ela. Não importa o que aconteça.

Mas então uma visita inesperada traz uma notícia trágica: uma das pessoas que ela mais ama morreu em serviço. Quem terá sido? Seu irmão ou seu namorado?

Em Volta Para Mim, Mila Gray constrói uma história de tirar o fôlego sobre amor, amizade e família, conduzindo o leitor por uma jornada de superação e autodescoberta."


O capelão oficial da Marinha se encaminha à casa de Jenna e ela, lívida, não quer acreditar no que está para acontecer.
A presença dele ali só significa uma coisa: alguém morreu. Resta saber quem. Seu namorado ou seu irmão?

Aniversário de 18 anos de Jenna. Ela estava prestes a terminar o Ensino Médio e em breve iria para a Universidade de San Diego. Não por escolha própria. Na verdade ela preferia ir para a Universidade da Califórnia, estudar teatro. Mas o seu pai, Coronel Kingsley, levava a família a mãos de ferro, queria ter controle total, e como Jessa era sua caçula, e ele já tinha um filho que estava nos Fuzileiros, também contra a sua vontade, ele não a queria longe. Ele sequer havia permitido que ela aos 16 anos tirasse habilitação.

Mas ali estavam os Kingsley, se preparando para um churrasco em família. O irmão dela, Riley, havia vindo passar um mês em casa após ter ficado nove meses trabalhando na Embaixada em Cabul.
Ele e seu amigo Kit, unidos desde os 14 anos, estavam juntos desde então. Mas Kit era "persona non grata" naquela casa, mesmo que Riley e Jessa não soubessem exatamente o porquê.
Kit aparece para dar os parabéns a Jessa, mas o olhar desaprovador do pai dela já mostra que ele não era bem-vindo.

O que o coronel todo-poderoso não contava era que sua filha era apaixonada por Kit desde os 14 anos, e ele tinha uma fixação por ela há dois, desde que a vira de biquini. Simples: a criação rígida de Jessa a obrigou a estudar em colégio de freiras, e logicamente, o pai dela também não aprovava roupas mais decotadas. Isso quer dizer que Kit só teve chance de ver Jessa quando ela tinha se desenvolvido e num dia de praia, em que o amigo, também superprotetor, estava presente.

Usando o aniversário dela como desculpa, e levando um presente para ela, Kit volta a procurá-la e aos poucos vai quebrando a barreira da "menina certinha"; com a ajuda da melhor amiga dela, Didi.

Durante aquele mês que Kit passaria em casa, férias de verão, ele e Jessa aproveitaram para passear e observar as estrelas, viram peça de teatro; ele levou-a para fazer um teste para uma peça de Oscar Wilde; ele a ensinou a dirigir. E mais que tudo, eles se entregaram um ao outro.
Havia uma promessa no ar de esperança; de espera; de felicidade.

Finalmente as férias terminam. Riley e Kit partem. Só que dessa vez não voltariam a Cabul, mas iriam para o Afeganistão.
E lá estava o capelão aproximando-se da casa para dizer qual dos dois havia morrido...

A culpa torna-se a faca que rasga a esperança ao meio. Jessa teria de fazer novos planos para sua vida. Todd, um pretendente que só estava esperando uma chance, se aproveita para se aproximar dela. Mas de verdade, ele não era como Kit; ele não a colocava para cima, não dava asas aos sonhos dela.
Segredos do passado ressurgem e talvez esses possam fazer mais pelo futuro do que qualquer tentativa de reconciliação poderia fazer...

"Só se vive uma vez.
Mas, se você fizer as escolhas certas,
uma vez basta."



O enredo é intenso. Dois jovens apaixonados mas que não podem ficar juntos porque há algo de secreto no ar, que logicamente os envolvidos não fazem a menor ideia do que se trata.
Kit tem a fama de garanhão e seu melhor amigo, Riley, que por acaso é irmão da garota por quem ele está apaixonado, não iria ficar nada feliz em saber de seus sentimentos por ela.
A princípio Jessa acha que Kit é muita areia pro caminhão dela e, claro, ele não vai dar sequer uma segunda olhada em sua direção. mas acontece que ele dá. Uma segunda, uma terceira, uma quarta, uma no quarto. E aquele mês torna-se o início de uma história de amor.

O retorno dos dois fuzileiros ao trabalho traz a tragédia. 
A gente mais ou menos já sabe qual dos dois vai morrer...duh!!! Afinal, é um livro de romance. Mas nada é fácil para eles.
A culpa do que aconteceu corroi Kit; e a mágoa por ter sido abandonada num período em que precisou dele, faz Jessa dizer coisas que não devia.

Mais uma vez tudo parecia ter se resolvido.
É quando o segredo mais bem guardado até então vem a público e tudo se esclarece.

O personagem mais insuportável do livro com certeza é o pai de Jessa. Sofrendo de transtorno de estresse pós-traumático, ele não aceita procurar ajuda psiquiátrica e inferniza a vida de todos na casa; todo mundo tem que andar na ponta dos pés perto dele.
Didi é a amiga maluquinha; que está doida pra "dar".

O livro tem sua carga de drama.
Não tem cliffhanger.
Recomendação: qualquer pessoa que goste de histórias dramáticas. Não chega a levar às lágrimas, mas tem sua carga emocional.
Reação:






Juro que tentei, li tudinho, mas a história não me despertou qualquer emoção. Achei tudo muito fofo, fofo demais, com muitos "inhos" no final (bonitinho, fofinho, legalzinho...), e de certa forma um tanto o quanto previsível.

E vi que o livro faz parte de uma duologia. O próximo traz a história da amiga louca de Jessa, Didi. Tomara que esse seja mais dinâmico.



3 estrelas.

*Livro cedido pela editora, em parceira, em troca de uma resenha de opinião honesta.

Um comentário:

  1. Aff... Livro rivotril.
    Acho que esse livro é daqueles que vai para nossa categoria "Vixe Maria".
    Vixe Maria, que sono!
    Vixe Maria, que saco!
    Vixe Maria, que tédio!

    Resumindo: De livro "fofinho e bonitinho", minha estante está cheia.
    Amei tua resenha, amiga. Como sempre, morro de rir com tuas gifs.
    Mas, do jeito que meu humor anda medonho, acho melhor passar bem longe desse livro.

    Beijos!

    ResponderExcluir