segunda-feira, 4 de abril de 2016

Nora Roberts - Um Novo Amanhã (A Pousada #1)




Ficha técnica: Um Novo Amanhã (The Next Always)
Autora: Nora Roberts
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2011
Lançamento BR: março/2016
320 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance contemporâneo; Chick Lit; Fantasia; Drama

Protagonistas: Beckett Riley Montgomery; Clare Murphy Brewster; Justine Riley Montgomery; Avery McTavish; Hope Beaumont; Ryder Montgomery; Owen Montgomery; Harry; Liam; Murphy; Lizzy.
Local/ano: Boonsboro, Maryland/atual

"A tradicional pousada da cidade de Boonsboro já viveu tempos de guerra e paz, teve diversos donos e até sofreu com rumores de assombrações. Agora ela está sendo totalmente reformada, sob direção dos Montgomerys, que correm para realizar a grande reinauguração dentro do prazo. 

Beckett, o arquiteto da família, é um charmoso conquistador que passa a maior parte do tempo falando sobre obras, comendo pizza e bebendo cerveja com seus irmãos Ryder e Owen. Atarefado com a pousada, ultimamente nem tem desfrutado de uma vida social decente, mas pretende mudar logo isso para atrair a mulher por quem é apaixonado desde a adolescência.

Depois de perder o marido na guerra e retornar para Boonsboro, Clare Brewster leva uma vida tranquila cuidando de sua livraria e dos três filhos. Velha amiga de Beckett, ela volta a se reaproximar dele ao ajudar nos preparativos da pousada. 

Em meio a essa apaixonante reconstrução, rodeados de amigos, Beckett e Clare passam a se conhecer melhor e começam a vislumbrar um futuro novo e promissor juntos."


Ficção baseada em local absurdamente real.
Boonsboro é o local onde a diva autora desta série vive. A pousada, a pizzaria, a biblioteca, tudo existe de verdade. Apenas os personagens foram inseridos.

Vamos conhecer um pouco mais sobre eles?

Os Montgomerys são uma família que trabalha duro e faz tudo em prol da comunidade, assim como o patriarca, Thomas Montgomery, o fazia enquanto vivo.
Agora, seus três filhos, Ryder, Owen e Beckett, junto com a viúva, Justine, trazem os dias de glória à cidade reformando a famosa pousada.

Ryder, o mais velho, é o empreiteiro chefe. Um pouco mal-humorado, ele prefere sempre o trabalho braçal ao burocrático. Também prefere ficar só, ouvindo apenas o som da obra e tendo por companhia o seu cão Diaraque.
Owen, o filho do meio, é o detalhista. Cuida das listas de tarefas e compras; contrata pessoal; faz compras, mas também faz o trabalho braçal.
Beckett, o caçula, é o arquiteto e paisagista.
Todos os três aprenderam sobre construção e marcenaria com o pai e amam o que fazem. 

A cidade é pequena e todos se conhecem.
Tem Avery, a dona da pizzaria Vesta..


Tem Clare, a dona da livraria e cafeteria...


E tem, é claro, a pousada Inn Boonsboro que está ainda em reforma.



Uma característica da pousada é que cada quarto tem o nome de um casal da literatura que teve o seu final de feliz; nada de números nas portas.
Mas além disso, há a lenda. Um fantasma que mora na pousada. E parece ser do sexo feminino e mesmo que nenhum adulto a tenha visto, alguns conseguem às vezes ouvir seus passos, as portas sendo abertas e fechadas, ora devagar, ora com raiva, luzes sendo acendidas e apagadas e o famoso cheiro de madressilvas (uma espécie de flor trepadeira, com um aroma forte e bem característico).




Mas, voltemos à história.
Assim como todos os Montgomerys, Beckett tinha o foco voltado para a reforma da pousada. Toda a cidade acompanhava de perto o desenvolvimento, apesar de que eles não podiam ver como estava ficando a fachada porque os irmãos haviam colocado uma lona na frente da pousada para dar um certo mistério.
Enquanto trabalhavam duro - e várias cenas e diálogos são voltados à conversa de planejamento de obra e compras -, Beck também prestava atenção numa antiga paixão de colégio, Clare.

Clare era viúva, com trêm filhos com menos de 10 anos.
O marido, que era militar e havia crescido naquela cidade, morrera no Iraque em sua terceira missão, sem chegar a conhecer o terceiro filho.
Tão logo ficou viúva, com duas crianças pequenas e outra em seu ventre, Clare voltou para sua cidade natal para ficar mais perto de seus pais e sogros, que lhe davam apoio.
Com o dinheiro do seguro que recebeu do governo, ela investiu em abrir uma livraria em frente a pousada, o que a mantinha bem ocupada, além das crianças.
Tinha como melhor amiga Avery, da pizzaria, e apesar de não estar necessariamente à caça, no fundo acalentava um desejo de poder voltar a ser feliz num romance. Mas de que jeito com tão pouco tempo? E qual homem iria aceitar uma mulher com 3 crianças?

Beck iria. Ele era apaixonado por ela desde que tinha 16 anos. Acompanhou quando ela começou a namorar um colega de escola, Clint; quando se casou com este e partiu; e também no enterro do marido e o retorno à cidade com 2 crianças.
Os anos passaram um pouco e agora Beck decidiu que deveria investir.
Ele sabia o que era ter meninos pequenos em casa - ele mesmo era o caçula e sabia bem sobre a irmandade masculina.

Aos poucos, tendo sempre a pousada como liga entre eles, foram se reaproximando. Encontros marcados que não deram certo porque algum filho ficou doente de última hora ou outros compromissos. Mas ele não desistiu.
Muito menos quando um mauricinho que não morava na cidade, mas próximo, Sam Freemont, resolveu que Clare deveria ficar com ele, Beck deu um jeito de demarcar território.
Como os irmãos gostavam de dizer, eles eram Rileys, por parte de mãe, e os Rileys cuidavam dos seus.

Enquanto a obra da pousada avança, o romance deles também se desenvolve.
Mas mesmo numa cidade pequena, dificuldades surgem porque são as pessoas que as criam, e é exatamente assim que Beckett e Clare se veem em meio a um episódio que poderia ter consequências assustadoras...



É muito interessante ver uma história baseada totalmente numa cidade, e, por conta disso, aos muitos personagens que somam o livro, a cidade em si é um personagem forte. Ela ganha mapa no início do livro e é bem descrita ao longo da narrativa.
Os personagens ao mesmo tempo que são bem comuns, afinal, são pessoas que moram numa pequena cidade, se conhecem e têm uma vida absolutamente normal, têm a sua gama interessante.
Talvez a parte mais bizarra seja justamente o fantasma, chamada por Beckett de Lizzy, porque o quarto que ela mais gosta de ficar é o Elizabeth & Darcy, de Orgulho & Preconceito.
Cada livro traz a história/romance de um irmão, portanto, não tem cliffhanger, mas são histórias sequenciais, por isso é bom ler na ordem.
E quanto ao romance em si, trata-se de pessoas não tão jovens; Clare, então, já tem uma bagagem maior de vida por ter sido casada, ter morado em diferentes cidades onde o marido foi transferido de base, ficado viúva e ser mãe. Nada corrido, nada tão focado em lado sexual exacerbado. Mas um romance maduro e bem estruturado, sem, no entanto, ser entediante.



Para quem se encantou com a descrição do interior da pousada, pode visualizar um pouco mais dos cômodos vendo este álbum no Pinterest >> Inn Boonsboro


Para ser sincera, eu achei a história bem simples e comum, mas o que prende é a narrativa da autora. Desde os lançamentos dos livros dos anos 90 eu não via um livro tão "Nora Roberts de ser". É uma leitura prazerosa, num ritmo perfeito.

O próximo livro, com capa revelada na contracapa deste primeiro volume, O ETERNO NAMORADO, traz a história do irmão Owen e sua amiga de infância, Avery.




*Livro cedido pela editora em parceria em troca de resenha de opinião honesta.

Nenhum comentário:

Postar um comentário