quarta-feira, 27 de julho de 2016

Lisa Kleypas - Pecados no Inverno (As Quatro Estações do Amor #3)




Ficha técnica: Pecados no Inverno (Devil in Winter)
Autora: Lisa Kleypas
Editora Arqueiro
Lançamento original: 2006
Lançamento BR: julho/2016
256 páginas
POV: terceira pessoa
Gênero: Romance de época; Chick Lit

Protagonistas: Evangeline Jenner e Sebastian St. Vincent
Local/ano: Londres; Gretna Green/ 1843

"Do quarteto de amigas, Evangeline Jenner é certamente a mais tímida. E se tornará a mais rica quando receber a herança de seu pai, acamado com tuberculose. Mas Evie não se importa com o dinheiro. Tudo o que deseja é estar ao lado do pai em seus últimos dias.

Porém isso só será possível se ela puder escapar da casa dos tios que a criaram. E, para isso, sua única alternativa é casar-se – e rápido. Assim, ela foge no meio da noite para a casa do devasso lorde St. Vincent e lhe propõe casamento em troca de poder cuidar do pai.

Para um aristocrata que precisa de dinheiro, essa é uma excelente proposta. Afinal, é difícil conquistar uma moça rica e solteira quando se tem a reputação de Sebastian – trinta segundos a sós com ele arruinariam o bom nome de qualquer donzela.

Mas há uma condição na proposta de Evie: uma vez consumado o casamento, eles nunca mais dormirão juntos. Ela não será mais uma mulher descartada por ele com o coração partido. Se Sebastian realmente a deseja em sua cama, terá que se esforçar mais em sua sedução... ou entregar seu coração pela primeira vez na vida."



Continuação da série > Resenhas > LIVRO #1  e  LIVRO #2

A autora deixou a gente com a essa cara no final do livro 2...




Como assim a mais quietinha, a gaga, a mais invisível dentre as quatro amigas solteironas (bom, agora eram duas porque Annabella e Lillian já haviam encontrado seus pares) teve coragem de sair no meio da noite e oferecer casamento ao mais infame canalha de todos os tempos?

Pois é... Mas foi isso que Evangeline, ou Evie, fez, e tudo isso pelo total desespero.
Àquele mesmo dia, seu primo Eustace - imenso de gordo que mal passava na porta do próprio quarto; fraco e covarde, usava a comida e bebida como refúgio por não enfrentar os pais - foi ao seu quarto entregar-lhe um anel de noivado e a ordem da mãe dele, tia Peregrine, era que Evie deveria usar o anel ou ficaria sem comida. E foi exatamente o que aconteceu.

Cansada de viver como prisioneira e ser usada como saco de pancada dos tios, ela foge pela janela no meio da noite e vai bater à porta de Sebastian St. Vincent.

Sebastian era lindo. Sua aparência era comparada a Lúcifer, o anjo que foi expulso do céu. Louro, olhos azuis claros que não demonstravam qualquer emoção, qualquer dama ficaria com a reputação arruinada se ficasse por cinco minutos sozinha na presença dele.
Mas Evie tinha um plano.
Ela era rica e ficaria mais rica ainda sendo a única herdeira de seu pai. Ela precisava da liberdade que apenas uma mulher casada poderia obter, para simplesmente passar um tempo com o pai que estava morrendo de tuberculose.

Ivo Jenner, ex-pugilista, um homem rude que sequer sabia ler, conheceu a mãe de Evangeline num quase acidente de carruagem. Apaixonaram-se. Ela era de família aristocrata. Fugiu com ele, mas pouco tempo depois se arrependeu. Só que ela já estava grávida. No parto, ela faleceu. Evangeline foi levada para ser criada pela família da mãe, mas sempre que podia passava um tempo com o pai, no clube de jogos dele, o Jenner's. Com o passar do tempo, tornando-se uma mocinha, o pai achou que aquele não era mais um ambiente para ela e a tia, por fim, proibiu-a de ver o pai. Cada vez que ela fugia tentando vê-lo, os tios iam atrás e a puniam severamente.
Mas seu pai estava morrendo e ela queria ser a pessoa a cuidar dele.

O trato seria St. Vincent casar com ela e colocar as mãos numa bela soma em dinheiro. Provavelmente com a morte do pai, ela deixaria o então marido vender o clube e viver a vida como bem quisesse. Ela teria uma parte do dinheiro da herança para ela usar como quisesse, sem a interferência dele. Ah, sim! Eles consumariam o casamento para torná-lo legal, mas seria apenas dessa vez, sem nenhum outro envolvimento mais.

"- Eu do-dormirei com o senhor uma vez, para tornar o casamento legal. De-depois disso, nunca mais.
- Ótimo. Raramente gosto de dormir com uma mulher mais de uma vez. É tedioso.. Além do mais, nunca seria burguês a ponto de desejar minha própria esposa."

Apesar de mostrar-se odioso, St Vincent aceita por estar desesperado. Ele poderia ser um visconde e um dia herdaria o título do pai, de duque, mas não havia mais nenhum dinheiro. O péssimo administrador que o pai era fez com que o dinheiro da família evaporasse.

Os dois vão para Gretna Green.
A viagem que durou dois dias foi cheia de chuva, frio e preocupação.
Assim que chegaram lá, o casamento foi realizado e consumado.
Evie não poderia reclamar de como foi sua primeira vez, nos braços de um homem que sabia o que estava fazendo.

O retorno, sem tanta pressa, já mostra um Sebastian um tanto diferente. Fica a pergunta: o que teria acontecido com ele a partir daquela noite de núpcias?

Vão direto para o clube Jenner's.
O estado de saúde do pai dela era terrível mesmo e o estado do clube também não era dos melhores. Logo Sebastian toma a frente dos negócios, demitindo o gerente bêbado e ladrão, dispensando as prostitutas sem graça e desmazeladas, colocando Cam Rohan como gerente (ele mesmo!!!! Aquele cigano da série Os Hathaways que entendia tudo sobre jogos de azar e tentava fazer investimentos fracassados para perder dinheiro mas acabava ficando mais rico).
Com a morte do pai dela, Sebastian fecha o clube por 15 dias - em luto -, mas aproveita esse tempo para fazer uma obra no local.
O lado empreendedor dele vem à tona, o que surpreende Evie, que imaginava que ele fosse querer vender e se livrar daquela responsabilidade.

Nesse ínterim, Sebastian repara na mudança de Evie, suas atitudes, e isso chama sua atenção. Ele sempre se considerou um homem com mais ímpeto às tentações da carne do que o normal; ele desejava sua esposa, mas ela não se mostrou tão fácil assim...

"- O que quer de mim? Que me desculpe por ser homem?
- Se você se abstiver de mulheres durante seis meses... dormiremos juntos.
- Isso é impossível. Sou Sebastian, lorde St. Vincent. Não posso ser casto. Todos sabem disso.
- Três meses. Se for bem sucedido, irei para a cama com você quantas vezes quiser.
- Aceitarei suas aposta e a vencerei. Daqui a três meses porei isto (a aliança dela) de volta em seu dedo, a levarei para a cama e farei coisas com você que são proibidas no mundo civilizado."

Porém, outras descobertas surgem:
Um dos empregados do clube, Joss Bullard, se ressente com a presença de Sebastian e Evie e tenta matá-la várias vezes; revisando o livro-caixa, Sebastian vê que Jenner estava com dívidas e havia feito investimentos errados. Seria melhor fazer as melhorias no clube caso tivesse ideia em passá-lo adiante; mas a maior de todas foi que Sebastian não estava sabendo lidar com o que começava a sentir por Evie.
Ela já não gaguejava perto dele desde que voltaram de Gretna Green e mostrava-se cada vez mais teimosa quando ele decidia algo, dando um jeito de convencê-lo a fazer do jeito dela; e ele sentia "dor no peito e nó no estômago" cada vez que a via conversando com algum homem no clube. Para própria segurança, ele prefere mantê-la afastada, com a desculpa de que sua presença no clube não era boa para ela, como uma viscondessa.

E entre mortes, reformas e brigas, Sebastian e Evie provam que "às vezes os momentos de loucura levam a resultados positivos"...



Para tudoooooooooooooooo²
Tia Lisa Kleypas deu um baile nesse livro.
Confesso, eram tantas frases boas para fazer quote que fiquei perdida.
Mas vamos aos comentários:

Que Sebastian St. Vincent era um canalha com C maiúsculo ninguém duvidava, depois do que ele tentou fazer com Lillian (livro #2). Mas tanto ele quanto Evangeline estavam desesperados. Ou melhor, ela ponderou que se ele estava tão desesperado por uma herdeira a ponto de fazer o que fez - e levar uma baita surra no final -, talvez ele aceitasse a proposta dela.

Evie não era feia. Sua cabeleira ruiva e seus olhos azuis lhe davam aparência de uma ninfa. O problema era sua timidez exagerada, o que a levava a gaguejar na presença de estranhos e a se esconder nos eventos. Mas para sua família isso era ótimo porque nos planos de tia Peregrine e tio Brooks, Evie se casaria com o filho Eustace, e depois, dariam um jeito de matá-la.



A grande surpresa para Evie, e acaba sendo para o leitor também, é a mudança de atitude de Sebastian já na viagem de ida e volta a Gretna Green. 
Ele fora criado para ser um nobre, isso queria dizer nada de trabalho ou conversas produtivas. Era muito mais fácil falar sobre suas conquistas, fossem no jogo ou na cama. Mas ele tinha um bom coração, era cavalheiro e descobriu-se com ótimo tino para os negócios.
Ao tomar as rédeas na reforma no clube, ele surpreendeu a todos - e talvez a ele próprio. É claro que ele precisou provar ser merecedor de ser o novo dono do clube, mas com a ajuda de Cam, ele arregaçou as mangas e "botou pra quebrar".

No quesito romântico... Bom, ele era um amante por excelência, nunca havia passado pela cabeça dele ter mulher e filhos. Entretanto, sua mudança de comportamento acaba se dando em todas as esferas e ter ao seu lado uma mulher parceira como Evie, abriu-lhe os olhos. É muito legal ver sua mudança, o fato de ele, pela primeira vez, sentir-se útil e querer levar aquilo adiante.

Os personagens secundários são conhecidos. As melhores amigas de Evie, Lillian, Annabella (grávida) e Daisy. Westcliff, que aparece bastante...

"Alerta de homem bonito"


Cam Rohan, mais jovem e ainda solteiro (pré-Hathaways).

O ritmo é perfeito. Cenas hilárias de brigas, crises de ciúme (de Sebastian) e reviravolta no caso "Sebastiangate". Sem cliffhanger.

E a cena final do casal...



Agora, ficamos apenas com uma amiga solteira, Daisy Bowman, americana, irmã mais nova de Lillian, sonhadora; e isso irrita o pai dela.
No final, um trecho bem looooongo do próximo livro.
Aff... Não dá pra esse livro quatro sair, tipo, amanhã?????




PS: Difícil escolher o preferido... Ainda estou entre o #2 e #3. Ver um canalha se regenerar é muito legal, mas ver um cara todo certinho se desamarrar da rígida formalidade com que foi criado também é interessante... Dúvida cruel...


*Livro cedido pela editora, em parceria, em troca de resenha de opinião honesta.
**Gravuras 1 e 3: Jon Paul Ferrara. ~~ Gravura 2: capa original de Devil in Winter

Nenhum comentário:

Postar um comentário