terça-feira, 20 de setembro de 2016

Clarissa Wild - Ruin



Ficha técnica: Ruin
Autora: Clarissa Wild
Editora self
Lançamento original: 20/setembro/2016  LANÇAMENTO
Lançamento BR: ainda não
250 páginas
POV: primeira pessoa - Alex e May
Gênero: Romance contemporâneo; Young-adult; Drama

Protagonistas: Alexander Wright e Maybell Fairweather
Local/ano: não especificado/atual

"Maybell Fairweather era a menina dos meus sonhos.

Sempre sorrindo brilhantemente, ela continuou, apesar dos apelidos que seus colegas a chamavam pelas costas.
Ela era cheia de curiosidade e independência, de uma maneira em que eu só poderia ter ciúmes. Mesmo que ela tivesse todas as probabilidades contra ela, ela sabia o que queria da vida e o perseguia, não importando o custo.

Ela era o meu oposto em todos os sentidos.
Perfeita, mesmo que ela não pudesse ver isso.
Perfeita ... até que eu surgi.

Porque esta é a história de como eu a arruinei."


Tudo começa numa audição de dança. Audição esta na qual Maybell não foi nada bem, apesar dos tantos meses que passou treinando.
Ao telefonar para sua mãe para dar a notícia, May se dá conta que sua exaustiva tentativa se dava muito mais por conta da mãe do que por si mesma.
Oh! Não pense mal dela. Ela amava dançar. Ela só não se imaginava fazendo isso como algo profissional.

Na realidade, o grande sonho de May era ser escritora. Ela já tinha várias histórias escritas, mas nenhuma delas mostrada a alguém. Sua mãe achava perda de tempo já que ser escritora "não era uma profissão a ser levado a sério".

Com um dia tão sem boas notícias, May passa o resto da tarde na biblioteca lendo, o que ela também amava fazer, mas com os treinos, ela tinha nenhum tempo para fazê-lo. 
Quando já estava anoitecendo, ela vai ao estacionamento da biblioteca pegar seu carro.

Calma! Não acontece nada a ela. Ela não sofre um assalto ou coisa parecida.
Ela sai com seu carro de lá e estando distraída entre a conversa que teria novamente com sua mãe e o livro maravilhoso que passou a tarde lendo, May acaba por se ver envolvida num acidente.

Quando acorda, já no hospital, ela não consegue lembrar-se dos últimos acontecimentos. A equipe do hospital diz que o carro dela chocou-se contra um muro e que sua perna estava quebrada a ponto de precisar de cirurgia - um simples gesso não resolveria.
O médico afirma que ela voltaria a andar depois de muita terapia e esforço, mas que qualquer carreira que exigisse atividade física, deveria ser descartada.

Adeus dança!!!

Mas nos dias seguintes à sua longa internação, May começa a receber a visita de um voluntário do hospital, Alex.

A princípio, May tem a impressão de já conhecê-lo de algum lugar, mas como ela não era de ter muitos amigos - a única amiga que tinha no Ensino Médio nunca apareceu para ir visitá-la no hospital ou respondeu suas mensagens -, ela ficou na dúvida se o conhecia mesmo ou não.

Acaba que Alex confessa que estudavam na mesma escola. E aos poucos, novas confissões aparecem, como que ele já a havia reparado há um bom tempo - mas teve medo de se aproximar - e que seu trabalho voluntário basicamente estava direcionado a ela.

May é operada e pode finalmente ir para casa.
Seus pais tinham uma viagem marcada há vários meses e ela preferiu não negar-lhes essa oportunidade. Ela já estava conseguindo usar as muletas e, também, ela sabia que poderia continuar contando com Alex.

Os dois já estavam bem envolvidos. Já tinha rolado um beijo ainda no hospital. O próximo passo seria inevitável.
Mas nesse ínterim, enquanto pesquisava na internet sobre seu acidente - ela ainda não tinha uma lembrança clara sobre o fato -, May descobre duas coisas que mudariam para sempre a sua vida. Primeiro, que Alex havia sido o seu herói - ele havia tirado-a em meio ao ferro retorcido do carro e chamado o 911. Depois... Bom, depois a vida ficaria um pouquinho mais complicada...





O babado é forte!

Mas vamos entender um pouco de cada personagem e o que torna a história tão especial.
Ambos os personagens são filhos únicos. Aqui, ninguém é rico. Eles não são amigos ou têm uma legião de amigos, mas o caso de Maybell é ainda um pouco pior.

Ela não era popular ou tinha uma beleza estonteante. De verdade, May sofria bastante com bullying, daquele tipo agressivo, de ser menosprezada em alto e bom som pelas outras garotas da escola ou ter o armário da escola invadido e cheio de bilhetinhos com palavras de ódio.
Ao longe, Alexander observava tudo isso.
Ele sabia que ela tinha aulas de dança no ginásio do colégio, e às vezes dava um jeito de observar sem ser notado. Ele sabia que ela só tinha uma única amiga com quem almoçava no refeitório e quando essa amiga não aparecia, May se refugiava na biblioteca.

Alex, por sua vez, tinha problema em casa desde que seu pai havia sofrido um ataque cardíaco severo e isso causou-lhe uma mudança comportamental. Ele tornara-se mais ríspido. Após isso, o desempenho de Alex não era tão bom na escola e isso impediu que ele tivesse boas notas para ir para uma universidade e seus pais não tinham dinheiro para pagar-lhe uma particular. Ele era muito bom com desenhos e tinha o sonho de ser arquiteto, sonho esse que não seria realizado.
O refúgio dele era jogar online. World of Warcraft. E durante os últimos meses, mesmo sem ela saber, ele era o companheiro online de jogo de May.
Com o acidente dela, ele viu a oportunidade de se aproximar sem que ninguém da escola soubesse.

Os poucos minutos que ele passava com ela passaram a ser horas, até que se tornaram também diários.

Alex estava apaixonado por ela e viu, aos poucos, May abrir-se para ele.

Mas quando tudo levava a crer que eles poderiam ficar como namorados - May já estava olhando-o assim -, alguém explodiu dentro de Alex.
No fundo, ele sabia que ele não era digno dela. Tudo que ele tocava ficava arruinado.

Alex havia salvado a vida de May ao tirá-la do carro e ao fazê-la querer lutar por sua recuperação no hospital. Agora, cabia a May ajudar Alex a sair de seu abismo de autodepreciação e arrependimento que poderiam culminar numa nova catástrofe...





Diferente dos outros livros dessa autora - sempre muito mais eróticos -, RUIN traz uma história sobre PERDÃO, RESILIÊNCIA, SUPERAÇÃO.

Aqui não há a perfeição da beleza, da inteligência, da riqueza. Todos são na média, com problemas internos e externos.
Talvez a solução não esteja no fim do túnel, mas do outro lado da porta.
Já pensou em abri-la?






O livro foi lançado com a capa mostrada no início, apenas para ebook. Mas a autora decidiu lançar em impresso numa edição limitada, com nova capa. Interessados, entrarem em contato com a autora por seu facebook.



Outros livros da autora já resenhados pelo blog:

FIERCE >> resenha
FURY >> resenha
MR. X >> resenha
STALKER >> resenha
VIKTOR >> resenha

Nenhum comentário:

Postar um comentário